Coluna do Requião Filho: Beto Richa, o “sujeito oculto” do pacote de maldades

richa_requiaofilho.jpgRequião Filho*

No português tínhamos o falecido sujeito oculto!. Hoje a nomenclatura é mais chique e o sujeito oculto passou a se chamar sujeito elíptico!, subentendido! ou desinência!. Na política, todavia, contudo, entretanto… O SUJEITO OCULTO está na moda, em especial no nosso Estado do Paraná.

Uma boa definição para sujeito oculto na política local seria aquele sujeito que, embora não apareça na oração, não apareça no trabalho, não apareça para dar explicações, vive rezando para que você não abra os olhos e enxergue que o Governo dele não passou de mentira, propaganda; que ele quebrou o Estado do Paraná.

O Oculto sujeito paranaense vem se estabelecendo há tempos. Em toda e qualquer crise que temos no Estado o Oculto some ainda mais, escafede-se para ser mais exato. Foi assim nas crises das penitenciarias. Está sendo assim na crise que desmontou o sistema integrado de transporte de Curitiba e Região Metropolitana. E, por último, mas não menos importante, no episódio do pacote de maldades, greve geral e embate entre polícia e funcionários públicos. O sujeito oculto sumiu tanto que praticamente virou sujeito indeterminado.

O político oculto se escondeu atrás de seus asseclas. Todos foram treinados para dizer que o pacote de maldades era idéia do secretário importado e, portanto, a culpa não era dele. Oras! Ele nem sabia onde era o Paraná quando no governo passado saquearam e sumiram com o nosso rico dinheirinho a ponto de não pagar promoções, férias e afins. A culpa é do sujeito ocultado pela mídia até então.

A crise se instalou na ALEP e o sujeito passou a ser inexistente. A bancada do camburão, como foi carinhosamente apelidada a base de apoio, passou uma semana levando porrada de todos os lados, sendo culpada pelo desastroso planejamento e péssima execução de um plano arquitetado por uma das capivaras do parque Barigui (não foi um ser pensante que elaborou a estratégia do pacotaço na base do vale-tudo).

O Oculto sujeito que governa o Paraná, não aparece na oração, não aparece para trabalhar e não aparecerá para negociar! Sim! Ele se mocozou! no Litoral catarinense e novamente jogou a bomba no colo de outro (melhor que na quinta-feira passada quando mandou jogar bombas nos funcionários públicos que lutavam para salvar o futuro do Paraná).

Que há de sentar, hoje, e enfrentar a carga será o chefe da Casa Civil. O sujeitinho fraco esse nosso…

Aqui no Paraná só temos umas poucas chances de ver o tal oculto sujeito, nos feriados como Páscoa, Natal, e quando uma criança perde um dente de leite, pois o sujeito oculto só aparece para o Paraná que acredita… acredita em conto de fadas, Papai Noel e Coelhinho da Páscoa.

*Requião Filho é advogado, deputado estadual eleito pelo PMDB, especialista em políticas públicas. Escreve à s quintas no Blog do Esmael.

17 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. Parabéns ao Deputado Requião Filho, precisamos de pessoas como ele para lutar pela gente do Paraná, pois não aguentamos mais os desmandos do atual governo. Esperamos que seja nosso próximo governador, assim como foi o Sr. Roberto Requião. Os funcionários públicos só tem agradecer ao Sr. Roberto Requião pelas conquistas que ele concedeu e que o atual governador “nos colocou na geladeira”. e esqueceu……

  2. Parabéns Deputado pelo apoio aos Profissionais da Educação.

  3. Futuro Governador…
    Não se venda, pague o preço, e seja mais um nome que dê orgulho ao Paraná e ao Brasil.

  4. E o playbou mineiro queria exportar essa espertise para todo o Brasil.

  5. Quem será né?
    Não sei quem é este ser “Beto invisível Richa!”
    E faz tempo que o “Beto dissimulado Richa” anda vagando pelas sombras do hipocrisia e da sacanagem política propagada pela velha mídia ($$$$$$$$$$) manipulada!

  6. A vaidade do governador Beto Richa é bem conhecida. Já na França, entre os século XIII e XIV, existiu um rei com a alcunha de “o Belo” (Felipe IV, 1268-1314). Entrementes, as congruências de algumas histórias dois vai um pouco além da pretensa fina estampa. Após um sério conflito com o Papa Bonifácio VIII, o monarca francês transferiu a sede do Papado para Avignon, dando início ao que se conhece como o “Cativeiro de Avignon”, que se prolongou de 1309 a 1377. Já nosso Beto, “o Oculto”, obrigou nossos deputados ao vexatório episódio do “Cativeiro do Camburão”, que dispensa maiores comentários.
    Mas as coincidências das mazelas não param por aí. Mau gestor do dinheiro do reino e com graves problemas de caixa, Felipe IV usou a sua influência sobre o Papa Clemente V, sob sua dependência, para acabar com a ordem dos Templários e confiscar
    seus bens, igualzinho o que nosso “Oculto” quer fazer com o Paraná Previdência, tesouro dos funcionários públicos do Estado do Paraná, não dele. Sabe o fim disso? O “Belo” e o Papa condenaram o último grão-mestre dos Templários, Jacques de Molay, à fogueira em 1314, mas de repente, durante a execução, Molay gritou para Felipe e para o Papa com voz em agonia: “- Seus canalhas! Eu os amaldiçoou! Vos vejo daqui a um ano no tribunal dos céus!”. E não é que os dois morreram meses depois? É claro que isso não vai acontecer com o Beto e com o Romanelli, mas que eles vão entrar para os rodapés da História do Paraná, ah, isso vão..

    • Bom Dia, Samuel Alves.
      Enquanto professora de História, penso que o método que utilizou para escrever seu texto foi brilhante, pois acredito que nossos alunos bem como a sociedade podem compreender melhor um fato histórico correlacionando com uma realidade vivenciada, ou história recente. Diante disso gostaria da permissão do autor para utilizar o texto na íntegra em sala de aula.
      Procuro trabalhar história em sala de aula partindo da realidade. Sempre tentando realizar analogias e também as figuras de linguagem que são nossos aliados para alcançar o objetivo em sala de aula.
      EM se tratando do fato escolhido que foi o Cativeiro de Avignon, corresponde a um interessante momento da idade média e as relações sociais que as encontravam, bem como o jogo e a posição do poder de um líder. Espero que mais textos como esse sejam divulgados, pois podem ser o caminho para obtermos alunos pensantes e lideres positivos realmente representante de uma população carente do pensamento histórico.

      • Prezada Professora Kellen, obrigado pela gentis palavras, mas não me acho merecedor. Metodologicamente, eu nunca quis fazer aqui um trabalho de história comparada ou nada parecido. Mas eu fiquei matutando algumas coincidências: “vaidade, opressão, saque” e resolvi fazer uma correlação lúdica entre o “Belo” e o nosso “Oculto”. Concordo plenamente com a senhora que o trabalho em sala de aula com história deve buscar sempre a explicação do presente, senão o ensino da história perde sua razão de ser. Se a senhora quiser usar com seus alunos, fique à vontade, fico feliz em ajudar, lembrando que Samuel Alves é pseudônimo, justamente pelo tom de brincadeira que o texto intenta ter. Com meu respeito profissional, saudações historiográficas, “Samuel”.

      • Evidentemente que esqueci de mencionar o indispensável uso de fontes em sala de aula. Mais o primordial é despertar a motivação no aluno para que o próprio investigue estude e pesquise sobre o assunto em si.Sendo assim o texto de Samuel Alves pode ser um sensibilizador e motivador para o caminho de uma pesquisas futuras.

  7. E A COMEC VAI BEM, O POVO DA REGIÃO METROPOLITANA, PRINCIPALMENTE OS DE ARAUCÁRIA, ESTÃO SATISFEITOS COM AS MUDANÇAS NO TRANSPORTE COLETIVO? MAIS UMA DO BETO RICHA, AS MUDANÇAS NÃO BENEFICIAM OS USUÁRIOS, ELAS SÃO FEITAS SEMPRE VISANDO MAIS ARRECADAÇÃO, MAIS LUCRO PARA ENGORDAR OS COFRES DO GOVERNO. E O CU (CAIXA ÚNICO) ESTÁ BEM DE RECURSOS? A ARRECADAÇÃO DO DETRAN JÁ ESTÁ INDO DIRETO PARA A CASA CIVIL(CU), AGORA ELE ESTÁ DE OLHO NOS 8 BILHÕES DA PARANAPREVIDÊNCIA. SERÁ QUE OS PROFESSORES E OS FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS IRÃO CEDER? ACREDITO QUE NÃO.

  8. Esmael, não errei quando te pedi, há alguns anos atrás, que incentivasse o seu Roberto à colocar o filho na frente de batalha da política.
    Tinha ouvido uma fala dele no diretório do PMDB, da Vicente Machado. Achei o garoto fera, fazendo jus ao pai!
    Parabéns, Requião Filho! Oxalá, nosso governador em 2018, ou antes se houver o impeachment e a salvação do Paraná, com a queda do pinóquio do Batel!!!
    Um abraço do Zé Venancio!!!

  9. Beto Fraude. Pena a alep ser submissa.

  10. É isso mesmo! Esse sujeito oculto é covarde. Não tem coragem de mostrar a cara como os Deputados, e até ex-Governador o fizeram no acampamento em frente à Alep. Parabéns! Vamos continuar essa luta!

  11. Fui eleitor do Pai, mas, pelo excesso de teimosia procurei outros candidatos, torso que tenha a inteligência e tenacidade paterna e a mente aberta para administração moderna, precisamos sempre de novos lideres.

  12. É Isso aí Requião Filho! O sujeito oculto também é sujeito mal intencionado quando se trata do povo paranaense e do Estado do Paraná.
    E como professor, trocaria tranquilamente o meu salário de R$1970,00 (com 60% de reajuste KKKKKKKKKK HAHAHAHAHAHAHA) pelo auxílio moradia dos magistrados e aí, certamente, teria o percentual que este sacripanta, jactancioso e perdulário afirma ter dado aos professores. FORA RICHA!!!

  13. Ótimo Requião Filho, escreve muito bem, com coerência e embasamento. Parabéns, nosso futuro governador!