Radicalismo pró-golpe de Veja reforça opção Requião para as Comunicações

requiao_vejaQuem não se lembra da capa da revista Veja, edição de 25 de maio de 2011, na qual calculava que os estádios ficariam prontos somente em 2038? Seria tranquilo, se o semanário tivesse apenas errado na matemática. Mas não foi como se pôde verificar nas edições seguintes em que o esforço era para incriminar Dilma Rousseff. A tentativa era !“ e é — derrubar a presidenta democraticamente reeleita em 26 de outubro.

Para enfrentar esse radicalismo de direita, cresce no Palácio Planalto a tentação de convocar o senador Roberto Requião (PMDB) para comandar o Ministério das Comunicações. Ex-governador do Paraná por três vezes, advogado e jornalista, teria como tarefa principal a aprovação da Lei de Meios (regulação da mídia) no país.

Aliás, Requião tem uma opinião bem particular a respeito da Veja que costuma tuitar com frequência:

Há motivos para chamar o “Capitão América” para colocar um freio nos excessos das empresas de comunicação? Leia abaixo os ataques perpetrados contra a democracia por Veja e outros órgãos da velha mídia e tire suas próprias conclusões.

Como se a petista fosse a artilheira escalada para a Copa do Mundo, Veja teve a pachorra de atribuir a eliminação da seleção brasileira nas semifinais, depois da vergonhosa goleada de 7 a 1 da Alemanha, ao estampá-la com a sugestão “Vai sobrar para ela?”.

O ápice do radicalismo de Veja pró-golpismo pode ser traduzido pela capa na semana da votação no segundo turno, onde acusara o ex-presidente Lula e Dilma de “saber tudo” sobre casos de propina e corrupção na Petrobras, cujo desdobramento da Operação Lava Jato, da Polícia Federal, levou vários diretores de empreiteiras para a cadeia.

O antipetismo da revista desenterrou forças antidemocráticas que julgávamos extirpadas. A elas se somaram neofascistas, udenistas e setores saudosistas com a ditadura militar (acerca disso, vale a leitura do excelente artigo empresário tucano Ricardo Semler).

Para fechar o repolho, nesta semana Veja voltou a acusar Dilma de saber do esquema de corrupção na Petrobras! por meio de um e-mail, de 2009, do ex-diretor Paulo Roberto Costa.

O diabo é que a Operação Lava Jato só foi desencadeada em 2014, conforme nota do Palácio do Planalto sobre o tema: “As práticas ilegais do senhor Paulo Roberto Costa só vieram a público em 2014, graças à s investigações conduzidas pela Polícia Federal e pelo Ministério Público.!

Requião neles? Dê sua opinião.

Comentários encerrados.