Fruet libera a catraca na greve dos cobradores de ônibus em Curitiba

Gustavo Fruet enfrenta greve de cobradores de ônibus no último jogo da Copa, nesta quinta (26); Prefeitura de Curitiba libera catraca para usuários, que não precisam pagar tarifa, no dia de hoje; Sindimoc calcula prejuízos de até R$ 6 milhões ao dia com a medida e diz estranhar que não seja concedido reajuste à  categoria que custaria apenas R$ 3 milhões ao ano.

Gustavo Fruet enfrenta greve de cobradores de ônibus no último jogo da Copa, nesta quinta (26); Prefeitura de Curitiba libera catraca para usuários, que não precisam pagar tarifa, no dia de hoje; Sindimoc calcula prejuízos de até R$ 6 milhões ao dia com a medida e diz estranhar que não seja concedido reajuste à  categoria que custaria apenas R$ 3 milhões ao ano.

O prefeito de Curitiba, Gustavo Fruet (PDT), para minimizar a greve dos cobradores de ônibus em Curitiba, liberou a catraca para os usuários que não precisam hoje pagara a tarifa.

Nesta quinta-feira (26), tem o último jogo da Copa do Mundo na Arena da Baixada, à s 17 horas, quando Argélia e Rússia se enfrentarão valendo vaga para as oitavas de final.

“Para não prejudicar a população, autorizamos a circulação dos ônibus sem os cobradores nesta quinta-feira (26), em razão da greve da categoria”, explicou o prefeito nas redes sociais.

No momento, 100% da frota prevista para o horário circula sem cobradores. Os trabalhadores reivindicam reajuste nos salários.

O Sindicato dos Motoristas e Cobradores de à”nibus de Curitiba e Região Metropolitana (Sindimoc) calcula que um dia sem cobrador gera prejuízo de R$ 4 milhões a R$ 6 milhões. Em contrapartida, se a Prefeitura de Curitiba conceder o reajuste, o custo seria R$ 3 milhões no ano inteiro.

Comentários encerrados.