Coluna do Mac Donald: As vias exclusivas de ônibus em Curitiba

Ricardo Mac Donald, capitão do time do prefeito Gustavo Fruet, nesta sexta, anuncia que Curitiba adotará, a partir de 29 de maio, faixas exclusivas para o tráfego do ônibus tipo Haddad!; prefeito paulistano Fernando Haddad (PT) foi o primeiro a adotar o modelo, mas o colunista aponta vantagens superiores das vias curitibanas; ... quanto mais velocidade tem o sistema menor é o seu custo...!, ensina o secretário Municipal de Governo, depois de ouvir técnicos que operam o sistema de transporte público na capital; O transporte coletivo precisa, cada vez mais, de espaço preferencial em relação ao automóvel!, diz Mac Donald, ao comentar sobre reclamação de comerciantes com a eliminação de estacionamentos; leia o texto e compartilhe.

Ricardo Mac Donald, capitão do time do prefeito Gustavo Fruet, nesta sexta, anuncia que Curitiba adotará, a partir de 29 de maio, faixas exclusivas para o tráfego do ônibus tipo Haddad!; prefeito paulistano Fernando Haddad (PT) foi o primeiro a adotar o modelo, mas o colunista aponta vantagens superiores das vias curitibanas; … quanto mais velocidade tem o sistema menor é o seu custo…!, ensina o secretário Municipal de Governo, depois de ouvir técnicos que operam o sistema de transporte público na capital; O transporte coletivo precisa, cada vez mais, de espaço preferencial em relação ao automóvel!, diz Mac Donald, ao comentar sobre reclamação de comerciantes com a eliminação de estacionamentos; leia o texto e compartilhe.

Ricardo Mac Donald*

A partir do próximo dia 29, Curitiba fará o primeiro teste com vias exclusivas para ônibus.

Técnicos em transporte público afirmam que, quanto mais velocidade tem o sistema menor é o seu custo, pois transporta-se mais passageiros com o mesmo equipamento e número de funcionários.

A conta é mais ou menos assim: a cada quilômetro/hora que se aumenta na velocidade média da frota diminui-se 1% o custo da passagem.

Outro benefício da via exclusiva, já que os ônibus têm tratamento preferencial, é diminuir consideravelmente o tempo que trabalhadores e estudantes levam para se deslocar, que hoje é, em média, 45 minutos por trecho.

A primeira via exclusiva será a Rua XV de Novembro, no trecho da Av. Nossa Senhora da Luz à  Rua João Negrão !“ uma extensão de 2.400 metros, por onde trafegam 11 linhas de ônibus.

No entanto, não está sendo fácil a implantação dessa via. Primeiro, foi necessário arrumar toda a Rua, recapeada com asfalto novo, desde a Ubaldino do Amaral até a Praça Santos Andrade. Depois, vem a sinalização com tachões e tinta especial; a implantação de câmaras de monitoramento e o preparo dos agentes de trânsito que acompanharão o início dos trabalhos. A SETRAN estará orientando os motoristas até o dia 23 de junho, a partir de então passará a coibir e multar os que desrespeitarem a sinalização.

Além de uma operação específica junto à s empresas de ônibus, estão sendo preparadas também as medições técnicas, em horários variados, antes e depois da implantação do novo sistema, as quais servirão para aferir o ganho de velocidade e produtividade.

Por fim, e talvez o mais espinhoso, é a comunicação aos comerciantes desse trecho, que, em alguns casos, ficarão sem estacionamento na via. Estão sendo providenciadas alternativas para utilização das ruas laterais, além de outras medidas mitigadoras.

Pode haver descontentamentos nesse ponto, mas não há outro caminho. O transporte coletivo precisa, cada vez mais, de espaço preferencial em relação ao automóvel.

*Ricardo Mac Donald Ghisi é advogado, secretário Municipal de Governo de Curitiba. Escreve à s sextas no Blog do Esmael.

12 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. Parabens a equipe do Gustavo. A unica maneira de melhorar o transito de Curitiba é dar prioridade total ao transporte publico.
    E que discussao ridicula essa da oposicao, sao vias, ou faixas? Nao tem critica melhor?

  2. Toda e qualquer providência para facilitar e agilizar o transporte coletivo de Curitiba será sempre bem vinda.
    Temo que a adoção das faixas exclusivas, aumente ainda mais o já caótico trânsito em nossa Cidade. Apenas para relembrar na Administração de Cássio Taniguchi foi implantada faixa exclusiva para ônibus na faixa da esquerda da Avenida Iguaçu que depois foi esquecida, pelo motivo de que, assim sendo, seriam necessários que também fossem proibidas toda e qualquer conversão à direita. Acho que a redução de custo esperada só se dará com o aumento do número de passageiros transportados.

  3. Vamos lá.
    a) A idéia de faixas exclusivas (e nao vias) não é nova e tem mostrado que vale a pena. Afinal o coletivo (onibus) deve prevalecer sobre o individual (carro), de preferência atrapalhando o mínimo o fluxo normal da via.
    b) A fiscalização deveria ser feita via câmeras no interior dos ônibus, mas para isso deve haver uma regulamentação específica.
    c) Deve-se evitar erros como o da Av. Wenceslau Brás onde os carros invadem a faixa exclusiva para fazerem o retorno/conversão. Engenheiros, organizai-vos.
    d) Sugito testar o modelo também na Kennedy, mas na faixa da esquerda, junto ao canteiro. Se interessar posso explicar isso em outra oportunidade.

  4. JOGO DOS ERROS: o primeiro que não seriam ‘VIAS’ exclusivas e sim ‘FAIXAS’ exclusivas, pois as tachas ou tachões fariam apenas a separação das faixas, não se constituindo num obstáculo físico comparável aos canteiros que separam as ‘canaletas’, que ainda assim estão na mesma via. o segundo erro é afirmar que seria a PRIMEIRO TESTE, esquecendo que a Emiliano Perneta entre a Praça Zacarias e Visconde de Nacar já teve essa experiência, para não entrar no debate das canaletas. O colunista/secretário reconhece que o aumento da velocidade média diminui o custo (portanto objetiva-se tal aumento) e na Travessa da Lapa a Setran quer coibir a velocidade dos veículos, lembrando que velocidade média é aumentada nos trechos que velocidades maiores podem ser desenvolvidas. Falou o colunista que haverá fiscalização para coibir aqueles que adentrarem nas FAIXAS exclusivas indevidamente. Pois quero perguntar: quantas autuações serão cabíveis para um veículo que a utilize de forma contínua ou continuada e for flagrada por mais de um agente em pontos ou trechos distintos? A Prefeitura de São Paulo enfrentou essa dúvida e formulou consulta que se materializou através de PARECER de minha lavra, o qual poderei graciosamente disponibilizar para evitar vexames como da Linha Verde. É a singela colaboração que posso dar como cidadão.

    • Essa coluna das sexta feira para mim é uma das melhores coluna ainda mais quando mostra algo que a prefeitura está fazendo em beneficio do povo. Acho que essas Faixas exclusivas vão beneficiar e acredito que em Curitiba onde temos um povo mais educado as pessoas vão saber respeitar as Faixas.

    • Boa Marcelo!
      Esses despreparados no comando da prefeitura fazem uma presepada atrás da outra…
      é vexatório para a cidade essa corja no comando municipal…

  5. Precisamos de mais AÇÃO desta Prefeitura, as ruas todas remendadas e com buracos, obra Linha verde Pinheirinho parada …

  6. o terminal do guadalupe está saturado por que a prefeitura não utiliza aquele espaço da antiga slaviero de fronte a câmara municipal(visc x barão do rio branco) que hoje serve apenas para estacionamento de carros de funcionários e comissionados da câmara.

  7. Esse meu parente é uma fonte inesgotável de desgostos e fiascos para nossa família. É encarregado de roçar o mato de Curitiba, mas o matagal é tanto que uma rede de fas-food lançou o Mac Mato, sanduba típico de Curitiba. Essas vias exclusivas de ônibus já estão sendo chamadas pelo povo de TransMato, porque vão de um matagal para outro… Além das vias transmateiras,o desinfeliz estaria estudando a implantação de pedágios urbanos nos armazens da família… Coisa de louco… E não esqueçam, o único cara sério dessa família sou eu!!

    • Você não deve morar em Curitiba para falar tamanha besteira. Se bem que você é o ronald mac donald, como palhaço, já era se esperar.