Por Esmael Morais

Com medo de perder emprego, mil funcionários da Urbs deverão marchar hoje rumo ao TCE

Publicado em 06/02/2014

Presidente do Sindiurbano, Valdir Mestriner, informa que mil trabalhadores deverão marchar hoje pelas ruas centrais de Curitiba, rumo ao TCE, em protesto contra a liminar que manda reduzir em 43 centavos a tarifa técnica do transporte coletivo; segundo o sindicalista, relatório do conselheiro Nestor Baptista, presidente do órgão de contas, tira 50% da receita da Urbs e mantém as exorbitantes taxas de lucro das empresas concessionárias; "A fórmula do TCE esmaga os empregos dos trabalhadores, mas garante os extorsivos lucros das concessionárias", protesta o dirigente.

Presidente do Sindiurbano, Valdir Mestriner, informa que mil trabalhadores deverão marchar hoje pelas ruas centrais de Curitiba, rumo ao TCE, em protesto contra a liminar que manda reduzir em 43 centavos a tarifa técnica do transporte coletivo; segundo o sindicalista, relatório do conselheiro Nestor Baptista, presidente do órgão de contas, tira 50% da receita da Urbs e mantém as exorbitantes taxas de lucro das empresas concessionárias; “A fórmula do TCE esmaga os empregos dos trabalhadores, mas garante os extorsivos lucros das concessionárias”, protesta o dirigente.

O presidente do Sindiurbano (Sindicato Trabalhadores em Trânsito e Transporte Curitiba), Valdir Mestriner, em contato com este blog, informou que cerca de mil funcionários da Urbs — a empresa que gerencia o transporte e o trânsito na capital paranaense — realizarão uma marcha nesta quinta (6), a partir do meio dia, rumo ao Tribunal de Contas do Estado (TCE).

O TCE julga no plenário, à s 14 horas desta tarde, liminar expedida semana passada pelo presidente do órgão de contas, conselheiro Nestor Baptista, que manda reduzir tarifa técnica de ônibus de Curitiba em 43 centavos. A sessão será acompanhada ao vivo pela TV Sinal, que também transmite as sessões da Assembleia Legislativa.

O presidente do Sindiurbano é contra o relatório do TCE porque, segundo ele, tira 50% da receita da Urbs e mantém as exorbitantes taxas de lucro das empresas que exploram o transporte coletivo. “A fórmula do TCE esmaga os empregos dos trabalhadores, mas garante os extorsivos lucros das concessionárias”, afirma.

A marcha dos funcionários da Urbs, a partir das 12 horas, deixará o trânsito sem fiscalização. O protesto também passará pela prefeitura de Curitiba.