Por Esmael Morais

Privatizações de Beto Richa vão acabar em prisões, alertam servidores

Publicado em 13/12/2013

Nota Pública do Fórum das Entidades Sindicais

O governo Beto Richa encerra seu terceiro e último ano de mandato. à‰ público que o governo agoniza financeiramente. Talvez em busca de soluções para sua própria incompetência, o objetivo de Richa é fazer uma profunda modificação da modelagem do Estado por meio dos projetos de lei 22 e 762. A proposta é privatizar os serviços públicos, a começar pela saúde, de forma a facilitar que a iniciativa privada fique com mais dinheiro público.

O projeto de lei 762 atinge o coração da saúde pública paranaense. A Funaes – Fundação Estatal de Atenção à  Saúde – terá autonomia financeira, dinheiro público, imóveis doados e servidores cedidos. Fará seu próprio planejamento, ou seja, escolherá onde e como atuar.

O projeto de lei 22 prevê a criação de fundações nas áreas de Cultura, Turismo, Desporto, Comunicação Social, Assistência Social e Ciência e Tecnologia. Isso significa que quase todo o funcionalismo pode ir pras fundações. A privatização é quase total!

Na questão da privatização da saúde, a legislação diz que ações complementares podem ser feitas por entidades filantrópicas por meio de convênios. Mas por ser uma atividade fim, o Estado tem a titularidade na execução dos serviços.

Outras experiências em municípios e estado demonstram que privatizar não melhora a qualidade do serviço. Veja o caso dos CEMUNs de Curitiba. Esses centros estão sob a gestão de fundações estatais de direito privado e os problemas só aumentaram. São comuns os episódios de mortes nessas unidades.

Em Londrina, a privatização também gerou corrupção e não resolveu o problema da qualidade dos serviços de saúde. Investigação da Gaeco !“ Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado – inclusive resultou em prisões. Atualmente, a população sofre com a desestruturação dos serviços
que foram entregues aos interesses do lucro.

Diversos juristas, como Dalmo Dallari, apontam para a ilegalidade da propositura. Quem se manifesta expressa que o Estado não pode se omitir de prestar serviços essenciais, como é o caso da saúde.

A forma como o governo tentou aprovar o projeto é ainda mais desrespeitoso com a sociedade. Sua intenção era aprovar os projetos que chegaram a Assembleia Legislativa na ultima terça- feira, 10 de dezembro. Ocorre que as propostas somente foram disponibilizadas aos deputados no dia anterior.

Além dos projetos citados, o Governo no dia de ontem apresentou mais sete projetos em regime de urgência que deverão ir à  votação a toque de caixa na segunda-feira. Os projetos, a maioria deles cercados de polêmicas, tem a justificativa de serem prioritários para o desenvolvimento do Paraná.

Um deles, PL 693, cria uma conta-garantia abastecida com recursos públicos, que serão usados exclusivamente para que o governo cumpra com suas obrigações financeiras em Parcerias Público-Privadas, ou seja, dinheiro público para parcerias privadas. Já o PL 720, aumenta para até R$ 2 bilhões o capital social autorizado para a Agência de Fomento do estado. Estes e outros projetos
deverão atropelar a dinâmica de funcionamento da Assembleia Legislativa na próxima semana, no apagar das luzes! de 2013.

Por tudo isso, o FES, legitimamente constituído por 16 sindicatos de servidores públicos estaduais civis e militares, ativos e aposentados, representando mais de 200 mil trabalhadores do Paraná, repudia a atuação desrespeitosa e antidemocrática do Governo na gestão pública. Os projetos citados afetam diretamente a vida dos servidores e da comunidade usuária dos serviços públicos, porém suas representações não foram ouvidas. Por isto o FES pede aos parlamentares que deixem esse assunto para o próximo ano. à‰ preciso que esse tema seja amplamente debatido pela sociedade, pelos usuários do SUS e dos demais serviços e pelos trabalhadores.