Operação na Baixada Santista eleva para 18 o número de mortos

A ação das tropas da Polícia Militar no morro São Bento, em Santos, resultou na morte de dois homens na noite de sexta-feira (9/2). A ação fazia parte da Operação Verão, conforme divulgado pela Secretaria da Segurança Pública (SSP). Segundo relatos, os policiais avistaram homens armados durante a operação, e o confronto se iniciou quando o grupo, de acordo com a SSP, atirou contra os policiais.

Os dois homens baleados foram levados à Santa Casa de Santos, mas não resistiram aos ferimentos. Na posse dos falecidos, a PM apreendeu uma pistola semiautomática, um revólver, além de drogas e dinheiro.

Os dados da SSP apontam que desde o assassinato do soldado da Rota Samuel Wesley Cosmo, em 2 de fevereiro, já ocorreram 18 mortes em confrontos na região. A pasta informou que, até a última sexta-feira, 557 pessoas foram detidas, incluindo 200 procuradas pela Justiça.

O governador de SP Tarcísio de Freitas (Republicanos) expressou a promessa de punição aos responsáveis pela morte do policial. O soldado foi baleado durante um patrulhamento com sua equipe na avenida Brigadeiro Faria Lima, no bairro Jóquei Clube, conforme declaração da PM.

O enterro do policial contou com a presença do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), do governador Tarcísio de Freitas e do secretário de Segurança Pública do Estado, Guilherme Derrite.

Economia

Em uma resposta às recentes ocorrências, o governo de São Paulo anunciou, na última quarta-feira, a transferência da estrutura da Secretaria da Segurança Pública para Santos. A medida foi comunicada no mesmo dia em que um policial militar morreu e outro ficou ferido após serem baleados na cidade litorânea.

Soldado Samuel Wesley Cosmo foi assassinado. Foto: PMSP
Soldado Samuel Wesley Cosmo foi assassinado. Foto: PMSP

O aumento das tensões na Baixada Santista, marcado por confrontos e detenções, levanta questões cruciais sobre a eficácia das operações de segurança pública na região. Com 18 mortes registradas desde o início dos confrontos, a situação demanda uma análise mais aprofundada das estratégias empregadas.

Diante do cenário crítico, o governador Tarcísio de Freitas prometeu punições aos responsáveis pela morte do policial, demonstrando um comprometimento firme com a corporação Polícia Militar. Além disso, o anúncio da transferência da estrutura da Secretaria da Segurança Pública para Santos sugere uma resposta mais abrangente, buscando efetivas mudanças estruturais para lidar com a complexidade dos desafios na região.

O cenário atual destaca a necessidade urgente de uma abordagem mais holística para a segurança pública na Baixada Santista. As operações precisam ser revistas, considerando não apenas as detenções, mas também estratégias de prevenção e diálogo com a comunidade. A sociedade civil e as autoridades precisam unir esforços para encontrar soluções duradouras e eficazes.

Em meio a esses desafios, é crucial que as informações sejam apresentadas de maneira transparente e acessível à sociedade. Este evento ressalta a importância do direito à informação, princípio fundamental para o entendimento e engajamento da comunidade nos esforços para construir uma região mais segura e justa.

Este relato aborda as complexidades do cenário atual na Baixada Santista, destacando a importância de uma abordagem multifacetada para enfrentar os desafios presentes. A sociedade, as autoridades e a imprensa desempenham papéis cruciais na construção de um futuro mais seguro e equitativo para a região.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *