México reitera oferta de asilo político para Julian Assange

“Espero que o fracassado sistema judicial inglês tenha vergonha e aceite a oferta”, disse o líder do MST

O México reiterou na segunda-feira (03/01) sua intenção de dar asilo a Julian Assange e garantiu que pedirá ao governo dos Estados Unidos uma “atitude humanitária” para o fundador do WikiLeaks, que está prestes a ser extraditado do Reino Unido.

A posição foi reiterada pelo presidente Andrés Manuel López Obrador, que elaborou a questão: “Estabelecemos nossa posição e estamos prontos para oferecer asilo a Assange no México”.

“Acreditamos que o governo dos Estados Unidos deve agir com humanidade. Assange está doente e seria uma demonstração de solidariedade, de fraternidade, permitir-lhe asilo no país onde decidiu viver, incluindo o México.

López Obrador destacou que as leis mexicanas criariam condições para que Assange não pudesse intervir nas relações exteriores, caso recebesse asilo e explicou nesse sentido: “Ele não representa nenhum perigo no México”.

O presidente mexicano revelou que Donald Trump, durante os últimos dias do governo do então presidente dos Estados Unidos, enviou-lhe uma carta na qual pedia perdão a Assange: “Antes do final do governo do presidente Donald Trump, enviei-lhe uma carta, pedindo-lhe para ser exonerado, para ser perdoado.”

Na sua conferência de imprensa matinal, López Obrador afirmou que “não houve resposta a essa carta. Mas eu me ofereço para torná-lo conhecido hoje e endosso o compromisso do México de cumprir, oferecendo asilo e pedindo ao governo dos Estados Unidos uma atitude humanitária. ”

Desde janeiro de 2020, López Obrador tornou pública sua intenção de dar asilo ao fundador do WikiLeaks, que é perseguido pelos Estados Unidos por publicar milhares de páginas com documentos militares secretos e cabogramas diplomáticos confidenciais sobre as atividades do país norte-americano no guerras no Iraque e no Afeganistão, divulgado pelo WikiLeaks.

O Supremo Tribunal de Justiça de Londres aprovou no último dia 10 de dezembro a extradição de Assange para os Estados Unidos. No momento, ele está detido na prisão de segurança máxima de Belmarsh, no Reino Unido.

“Felicito o governo do México, que teve coragem de enfrentar o império e ofereceu asilo a Assange. Espero que o fracassado sistema judicial inglês tenha vergonha e aceite a oferta. Somos todos Assanges!”, manifestou João Pedro Stédile, líder do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) e um dos membros do comitê pela liberdade de Julian Assange.