Entre Bolsonaro e Moro quem piscar primeiro desiste da candidatura a presidente

Bolsonaro e Moro candidatos ao Senado? Eles estariam próximos de desistir da corrida presidencial

O presidente Jair Bolsonaro (PL) e o suspeito ex-juiz Sergio Moro (Podemos) têm severos problemas com palanques nos estados. Nos bastidores da política, a tese é que o primeiro deles a piscar desiste da corrida presidencial deste ano –ou ambos.

Durante suas longas férias no litoral de Santa Catarina –enquanto a Bahia se afogava nas chuvas– cogitou-se bastante que Bolsonaro concorreria ao Senado pelo estado do Sul. O presidente nunca descartou essa hipótese que lhe garantiria o foro privilegiado após deixar o Palácio do Planalto.

Situação muito parecida encontra-se Moro, que não conseguiu decolar nas pesquisas de intenção de votos. Mesmo com apoio da Globo e da velha mídia corporativa, o ex-juiz não atingiu dois dígitos e sua entrada no páreo ampliou a vantagem do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que pode vencer no primeiro turno.

Na semana que passou, os jornalões que apoiam Sergio Moro sugeriram que ele desista de concorrer ao cargo de presidente para tentar uma vaga no Senado. Dessa forma, analisaram os barões da velha mídia, o ex-juiz também garantiria um foro privilegiado.

Bolsonaro e Moro disputando o Senado ganhou ar de veracidade porque o primeiro não gosta de governar e o segundo não tem apoios suficientes para avançar. O presidente e o ex-juiz sequer possuem palanques regionais fortes que lhe sustentem na maratona eleitoral deste ano.

Moro não tem palanque firme nem no Paraná, seu suposto reduto eleitoral. O Podemos, partido do ex-juiz, sequer apresentou nome para concorrer ao governo do estado e depende da promessa de Ratinho Junior (PSD), que é o principal aliado de Bolsonaro na terra das araucárias.

Já Bolsonaro passou os últimos três anos guerreando contra prefeitos e governadores durante sua cruzada antivacina e negacionista. Ele sofreu um incrível derretimento cujo resultado beneficia Lula.