Ratinho Junior promete Natal sem máscara enquanto silencia sobre pedágio e ICMS dos combustíveis

Ratinho Junior promete Natal sem máscara enquanto silencia sobre pedágio e ICMS dos combustíveis

O governador Ratinho Junior (PSD) prometeu um Natal sem máscara no Paraná, caso atinja 80% da vacinação de adolescentes contra a covid-19 em novembro, no entanto, ele continua silente sobre a prorrogação e ampliação do pedágio mais caro do mundo e o impacto do ICMS no preço abusivo dos combustíveis.

A declaração do governador do estado se deu no fim de semana, em Londrina, Norte do Paraná, enquanto ele “fugia” do presidente Jair Bolsonaro, que realizou cerimônia em Castro e motociata com apoiadores em Ponta Grossa –ambos os municípios na região dos Campos Gerais.

Na questão do pedágio, as cancelas deverão ser abertas no fim deste mês –sem cobrança de tarifa– sob a alegação de que não houve tempo para licitar. Após a eleição de 2022, no entanto, serão instaladas 15 novas praças de cobrança nas rodovias e os contratos durarão mais 30 anos. Os preços das tarifas para ir e vir também deverão sofrer reajuste, levando em consideração um ano de “abstinência” na cobrança.

Em contraposição a Ratinho, o ex-governador Roberto Requião defendeu a implantação do pedágio público de manutenção com tarifas módicas entre um real e três reais durante uma entrevista à Rádio Estúdio 92 FM de Cascavel, no Oeste.

A questão do ICMS sobre os combustíveis é algo que o governador Ratinho Junior não consegue explicar. “Ou por ignorância ou por falta de coragem”, disse ao Blog do Esmael o deputado Arilson Chiorato (PT).

Quando um governo abre mão de tributos como o ICMS ele deixa de investir esses recursos nos mais pobres e nos serviços públicos para concentrar esse dinheiro nas mãos dos mais ricos, sem que isso signifique um único emprego gerado. A concentração é um péssimo negócio para o Estado e para os paranaenses.

“O governador Ratinho fugiu do Bolsonaro, fugiu do pedágio e fugiu das discussões sobre o ICMS”, avaliou o dirigente petista, se referindo à fuga do governador da agenda presidencial no fim de semana. “Foi uma fuga por estratégica eleitoral ou por desconhecimento?”, questionou Arilson Chiorato.

Pelo Twitter, Requião ironizou a fuga de Ratinho em Ponta Grossa. “Bozo, preste atenção: o rato sempre é o primeiro a abandonar o barco”, fulminou o pré-candidato ao governo do Paraná, em alusão à não participação de Ratinho na agenda de Bolsonaro nos Campos Gerais.

Leia também

Governador Ratinho Junior foge de Jair Bolsonaro e de manifestantes no Paraná

Aldo Rebelo foi sondado para mudar domicílio eleitoral para o Paraná

Veja essa: bolsonaristas cruzam a fronteira com a Argentina em busca de gasolina mais barata