Bolsonaro volta a atacar urnas eletrônicas; e agora, Lira?

Sem voto e sem partido, Bolsonaro culpa ‘urnas eletrônicas’ por virtual derrota em 2022

O presidente Jair Bolsonaro, desmoralizado, continua derretendo nas pesquisas de intenção de voto. Ele não tem a vontade do eleitor nem partido para disputar as eleições de 2022. O mandatário culpa as “urnas eletrônicas” pela sua virtual derrota no ano que vem.

Segundo os institutos de pesquisa, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) vence a corrida pelo Palácio do Planalto no primeiro turno. Não há espaço para uma terceira via, como torce a velha mídia corporativa.

Bolsonaro prometera na sua live de quinta-feira (29/7) provar a existência de fraude nas urnas eletrônicas, porém, ele não conseguiu entregar o que anunciara com antecedência. “Não tem como se comprovar que as eleições não foram ou foram fraudadas. São indícios. Crime se desvenda com vários indícios”, justificou.

Leia também

Como sua denúncia de “bomba” se revelou um verdadeiro “peido de véia”, o presidente foi questionado por jornalistas se havia mostrado suspeitas ou provas. Respondeu: “Suspeitas, fortíssimas. As provas você consegue com a somatória de indícios. Apresentamos um montão de indícios aqui”. Só que não.

Bolsonaro ‘afrouxou a tanga’ ao não apresentar provas das supostas fraudes nas urnas eletrônicas.

“Não quero mais PIX, TED e cartão de crédito virtual, quero de volta o talão de cheques auditável. Arre cáspita!”, ironizou o deputado estadual Luiz Claudio Romanelli (PSB-PR), Primeiro Secretário da Assembleia Legislativa do Paraná (ALEP).

A tiracolo, na live, Bolsonaro mostrou a participação do ministro da Justiça, Anderson Torres. Ele é quem controla a Polícia Federal e responde perante o presidente da República pela formulação da política do Governo Federal, manutenção da ordem jurídica e da segurança interna do País.

Pelo acelerado estado de derretimento e decomposição, Jair Bolsonaro sequer conseguirá disputar a reeleição em 2022. A luta dele pode ser reduzida a terminar o mandato. Se viabilizar seu registro no pleito, perde no primeiro turno [segundo todos os institutos de pesquisa]. Se avançar para a segunda etapa eleitoral, perde de todos os demais candidatos.

Bolsonaro é um pesadelo, que está prestes a terminar –ou não.