ratinho junior e ricardo barros

Emenda de “Leitão Vesgo” facilitou a compra da vacina indiana Covaxin, diz CPI da Covid

A CPI da Covid diz ter em mãos um telegrama em que o embaixador na Índia afirma que presidente da Precisa Medicamentos, Francisco Maximiano, contava com emenda do líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR), conhecido nos bastidores da política como “Leitão Vesgo”.

Barros, o “Leitão Vesgo”, foi ministro da Saúde no governo de Michel Temer. O político paranaense ganhou o apelido porque, segundo a lenda, ele mama numa teta de olho noutra teta.

Além de sua emenda facilitar a compra da Covaxin, Ricardo Barros ainda se envolveu na articulação da compra da vacina russa Sputnik V pelo governo do Paraná.

Segundo telegrama em poder da comissão de investigação no Senado, o embaixador do Brasil em Nova Delhi, André Corrêa do Lago, disse que o presidente da Precisa Medicamentos comentara que a autorização de uso emergencial da Covaxin poderia ser obtida em breve no Brasil “em razão de nova redação da Medida Provisória 1.026/21”.

A “nova redação” era a emenda do líder do governo na Câmara, Ricardo Barros, à MP. A Covaxin foi a vacina mais cara adquirida pela Saúde, e seu contrato está na mira da CPI e do Ministério Público Federal.

A MP, de 6 de janeiro de 2021, dispensa licitação e previa regras mais flexíveis para a aquisição de insumos e serviços necessários à imunização. Após a Medida Provisória ser aprovada pelo Congresso Nacional, foi transformada em norma jurídica (Lei nº 14.124 de 10/03/2021).

Leia também

Vacina indiana custou 1000% mais caro

O governo do presidente Jair Bolsonaro comprou a vacina indiana Covaxin por um preço 1.000% maior do que, seis meses antes, era anunciado pela própria fabricante Bharat Biotech, segundo documentos do Ministério das Relações Exteriores

Telegrama sigiloso da embaixada brasileira em Nova Délhi de agosto do ano passado, em poder da CPI da Covid, informava que o imunizante produzido pela Bharat Biotech tinha o preço estimado em 100 rúpias (US$ 1,34 a dose).

Em dezembro, outro comunicado diplomático dizia que o produto fabricado na Índia “custaria menos do que uma garrafa de água”. Em fevereiro deste ano, o Ministério da Saúde pagou US$ 15 por unidade (R$ 80,70, na cotação da época) — a mais cara das seis vacinas compradas até agora.

CPI da Covid vota requerimentos de convocação e de quebra de sigilos [vídeo]