Globo prevê volta de Lula em 2022

Compartilhe agora

O jornalista Merval Pereira, uma espécie alter ego da família Marinho e porta-voz informal da Globo, reconhece que Lula vem aí.

Merval escreveu na coluna de hoje, no Globo, que é presumível que o ex-presidente Lula seja beneficiado pela suspeição do ex-juiz Sergio Moro na Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal.

O STF irá julgar o habeas corpus do ex-presidente Lula em fevereiro, segundo o ministro Gilmar Mendes, relator da matéria.

A Globo avalia que interessa a Bolsonaro e ao PT a desmoralização de Moro, por isso, tacitamente, o Supremo tende a fulminar a condenação no caso do tríplex.

Sem sentença e sem condenação, por óbvio, Lula pavimenta a volta. Ele se habilitará para disputar as eleições 2022, o que é uma péssima notícia para a Lava Jato e seu candidato — o ex-juiz Moro.

Pelas decisões anteriores na Segunda Turma, anulando sentenças de Moro, afirma Merval, é presumível que o ex-presidente Lula seja beneficiado pelo mesmo entendimento.

Mesmo afastando a condenação do caso tríplex, Lula ainda terá de anular a sentença em segunda instância do caso sítio de Atibaia. Mas onde passa um boi passa uma boiada…

A sentença no caso do sítio de Atibaia, proferido por uma juíza, que substituiu Moro na 13ª Vara Federal de Curitiba, está eivado de erros, cópias e inconsistências, por isso tende a ser anulado também.

O medo da Globo é que o presidente Bolsonaro, para inviabilizar Moro, coloque seu ministro Nunes Marques para suspender os efeitos da lei da Ficha Limpa.

A Globo, apaixonada, não vê defeitos em Sergio Moro. No entanto, além de chulé, o ex-juiz se desmoralizou de vez se associando a um escritório de advocacia americano que defende a empreiteira Odebrecht. Some-se a isso, até pouco tempo atrás, Moro fora ministro da Justiça no governo Bolsonaro.

É muito provável que Sergio Moro não concorra a nada, embora ele use o espaço na mídia para tentar limpar sua barra. Se candidato for, é mais crível que o ex-juiz dispute o governo do Paraná contra Ratinho Junior (PSD) com apoio do senador Alvaro Dias (Podemos). Anote aí.