Em artigo, Mourão pede “armistício patriótico” em 2021

O vice-presidente Hamilton Mourão publicou hoje (11) um artigo em que pede união, esforço e otimismo para o final deste ano e para 2021.

O próximo ano, segundo o vice-presidente, deverá ser caracterizado por “otimismo e crença na vitória, abandonando os sentimentos negativos de que tudo está perdido. Não está!”, afirma.

Mourão reconhece as dificuldades atravessadas por famílias brasileiras durante a pandemia de covid-19, principalmente aquelas que perderam membros e amigos por causa da doença. “Enfrentamos um período de incomparáveis desafios, notadamente no campo da luta pela vida contra a pandemia do coronavírus. Período de luto, sofrimento e dor para milhares de famílias que perderam seus entes queridos, seus amigos, nossos irmãos brasileiros, apesar de toda a nossa participação, empenho e vontade de vencer esta doença.”

LEIA TAMBÉM
Requião explica o frustrado golpe de Maia contra Bolsonaro

Caso Queiroz: PT pede impeachment de Bolsonaro e prisão de Flávio Bolsonaro

7º caso contra Lula é arquivado pela Justiça; confira lista

Em tom de otimismo, o vice-presidente afirma que é necessário potencializar o lado promissor do Brasil com união. Assim, haverá “fonte de energia para aumentar nossa disposição e para cada vez mais construir (ou reconstruir) o nosso Brasil”. Mourão cita ainda Fábio Faria, ministro das Comunicações, cuja frase o vice-presidente toma a liberdade de parafrasear: “É oportuno e necessário um armistício patriótico”. Mourão fala ainda sobre a questão do desmatamento na Amazônia, e afirma que houve uma campanha internacional equivocada sobre a “forma como cuidamos do nosso verde.”

Sobre divergências políticas e conflitos, Mourão assegura que são características fundamentais de uma democracia, e que também é possível avançar mesmo com opiniões divergentes. “Posicionamentos e ressalvas sempre haverá, pois esses são importantes traços de nossa democracia. No entanto, a flexibilidade e o diálogo são a regra. O benefício final é inegável.”

O vice-presidente encerra o artigo com um apelo à união e à soma de esforços para o país. “Cabe a nós, brasileiros, nos unirmos neste objetivo: ajudar o nosso País, de mãos dadas e, principalmente, com pensamentos e ações positivas”, conclui.

Leia a íntegra do artigo do vice Hamilton Mourão:

EM NOME DO BEM COMUM

Hamilton Mourão*

“Vamos superar obstáculos e incertezas, com clareza, determinação e paciência”.

Em nome do bem comum, é chegado o momento de voltarmos a olhar para a frente, passando a visualizar o “copo meio cheio”. Estamos chegando ao fim de 2020! Enfrentamos um período de incomparáveis desafios, notadamente no campo da luta pela vida contra a pandemia do coronavírus. Período de luto, sofrimento e dor para milhares de famílias que perderam seus entes queridos, seus amigos, nossos irmãos brasileiros, apesar de toda a nossa participação, empenho e vontade de vencer esta doença.

Também passamos pelo desafio do período de seca na Amazônia e no Pantanal, com as queimadas que assolam anualmente o País. Enfrentamos a questão do desmatamento na Amazônia, que preocupa todos nós. Fomos acusados, em campanha internacional, de forma equivocada, de não cuidarmos do nosso verde. E vivenciamos um processo eleitoral diferente do que estávamos acostumados, com candidatos e eleitores a distância.

As nossas respostas aos desafios têm sido dadas com trabalho conjunto, sério, com muito empenho e dedicação, sempre com olhar nos verdadeiros protagonistas: os filhos do nosso Brasil. Perante estes cenários – e, apesar da tristeza inevitável diante do covid-19, que, em algumas regiões, retorna numa segunda onda –, quero aqui refletir sobre o lado promissor que o Brasil nos reserva e sobre como podemos otimizá-lo, melhorá-lo, aproveitá-lo em benefício de nós mesmos e da nossa Nação.

Precisamos nos unir e passar a enxergar a janela de luz que cada ramo de atividade e de estilo de vida nos apresenta. E, dela, fazer fonte de energia para aumentar nossa disposição e para cada vez mais construir (ou reconstruir) nós mesmos e nosso querido Brasil. Enxergar este potencial sob um novo olhar é uma medida necessária e urgente para alinharmos nossos pensamentos em aspectos otimistas, aspectos positivos que, durante a luta que enfrentamos, cada um descobre em si.

A atmosfera e as narrativas de derrota, de pessimismo e de insegurança têm de ficar para trás. É lamentável, um verdadeiro desserviço, vermos somente a apologia ao ruim, ao que não deu certo. Não é saudável para nossas vidas e para o nosso País. A cultura de só vender manchetes negativas, polêmicas e especulativas deve dar lugar ao gosto e à atração por ler e ouvir o lado positivo do nosso engajamento. É tempo de somar, juntar, multiplicar ações e sentimentos bons. Nas palavras do nosso Ministro das Comunicações: “É oportuno e necessário um armistício patriótico”.

Temos uma classe empresarial patriótica e comprometida em ajudar. Temos, em todos os Estados brasileiros, federações, indústrias, associações e entidades conscientes dos seus papéis de promotoras do desenvolvimento e dispostas a cooperarem. Estamos com o setor agropecuário em franco crescimento, com uma política arrojada e desenvolvimentista sendo levada a efeito. Hoje, somos referência mundial de agroprodução.

A discussão e a aprovação de uma legislação mais dinâmica, eficiente e moderna ao País têm sido sempre a tônica dos embates. Os nossos parlamentares querem somar, em que pese uma pequena exceção deixe prevalecer a visão político-ideológica sem sentido e inoportuna. Posicionamentos e ressalvas sempre haverá, pois esses são importantes traços de nossa democracia. No entanto, a flexibilidade e o diálogo são a regra. O benefício final é inegável.

No tocante à imagem do Brasil no exterior, lembro que quem fala pelo Brasil é o brasileiro. Participo de inúmeros fóruns e reuniões, nos quais todos veem no Brasil uma oportunidade de investimento futuro, nos quais resta percebida, sim, a batalha diária do nosso Presidente Bolsonaro e sua equipe ministerial na busca de soluções para efetivar esta atratividade.

Minha ideia maior nestas palavras é, como Vice-Presidente da República, deixar claro que vamos superar obstáculos e incertezas, com clareza, determinação e paciência. Tenhamos fé e lutemos para isso, arregacemos nossas mangas, cada qual nas suas possibilidades e na sua realidade. Somos brasileiros e brasileiras, todos de bem! Pessoas dignas que acordam cedo para cumprir suas obrigações de trabalho, de lar, de estudos. Somos pessoas que enfrentam lutas diárias e, mesmo assim, estão sempre disponíveis à alegria, a um sorriso, a um abraço, a uma boa dança, a um futebol…

Vamos contagiar nosso País com este sentimento de esperança tão nosso: a alegria de viver e de buscar o melhor! Vamos nos unir pela causa comum de atravessarmos as crises da melhor maneira possível. Somar esforços e possibilidades, cada um do jeito e da maneira que puder. Temos muito a fazer… E faremos!

Que o resto deste ano se caracterize por otimismo e crença na vitória, abandonando os sentimentos negativos de que tudo está perdido. Não está!

Cabe a nós, brasileiros, nos unirmos neste objetivo: ajudar nosso País, de mãos dadas e, principalmente, com pensamentos e ações positivas!

*Hamilton Mourão é vice-presidente da República e presidente do Conselho Nacional da Amazônia Legal (CNAL).

Com Agência Brasil