Pesquisadores de buracos negros ganham o Prêmio Nobel de Física 2020

Compartilhe agora

Os físicos Roger Penrose (britânico), Reinhard Genzel (alemão) e Andrea Ghez (norte-americana) foram anunciados nesta terça-feira (6) como os ganhadores do Prêmio Nobel de Física de 2020.

Os três pesquisadores foram contemplados “por suas descobertas sobre um dos fenómenos mais exóticos do universo, o buraco negro”, informou a entidade que concede a premiação.

LEIA TAMBÉM
Bancos conspiram contra os mais pobres e o auxílio emergencial, diz Estadão

Moro pode deixar o Brasil para morar nos Estados Unidos

Lula não está morto, alerta Globo, após pesquisa do Ibope

Penrose, professor da Universidade de Oxford, ficou com metade do prêmio pelo seu trabalho que usa a matemática para provar que os buracos negros são uma consequência direta da teoria geral da relatividade.

Genzel, do Instituto Max Planck e da Universidade da Califórnia, Berkeley, e Ghez, da Universidade da Califórnia, Los Angeles, dividiram a outra metade por terem descoberto que um objeto invisível e extremamente pesado governa a órbita das estrelas no centro da nossa galáxia.

O Prêmio Nobel é concedido anualmente pela Academia Real das Ciências da Suécia, que atribui premiações em dinheiro às pessoas que se destacam por seus estudos nas áreas de Literatura, Medicina, Física, Química e na promoção da Paz.

Os três vencedores do Nobel de Física deste ano dividirão o valor de 10 milhões de coroas suecas (cerca de R$ 6,3 milhões).

Sobre o buraco negro
Buraco negro é um ponto no espaço onde a matéria é comprimida a ponto de criar um campo gravitacional do qual nem mesmo a luz pode escapar.