Lula não está morto, alerta Globo, após pesquisa do Ibope

Compartilhe agora

O ex-presidente Lula está vivinho da Silva e ainda pode fazer a diferença nas eleições municipais de 2020. A avaliação foi publicada pelo Globo na edição desta terça-feira (6).

O jornalão dos Marinho ouviu o professor Ricardo Ismael, do Departamento de Ciências Sociais da PUC-Rio, o fator “Lula” pode fazer diferença. Por isso, o potencial de crescimento do PT hoje é maior do que o de algumas legendas de direita, como PSL e PRTB.

Segundo o professor da PUC-Rio, o PT luta para recuperar a imagem do desgaste causado pelo intenso bombardeio da operação Lava-Jato.

“O partido ainda administra um prejuízo. Vai ter que brigar mais para se destacar”, diz Ismael, no entanto, ele destaca o fator “Lula” na disputa em curso.

“A foto do momento aponta que o PT perdeu espaço, mas pode crescer, um cabo eleitoral como Lula não é desprezível”, alerta o professor da PUC-Rio. “Hoje o PSL não tem nenhum cabo para puxar voto”, comparou.

A matéria do Globo foi publicada à luz das últimas pesquisas do Ibope.

Lula prova que não existe morte definitiva na política ao anunciar a volta do PT em 2022

Esquerda lidera pesquisas em Belém e Porto Alegre, segundo o Ibope

O instituto Ibope mostra nessa nova rodada que a esquerda lidera as intenções de voto nas cidades de Belém (PA) e Porto Alegre (RS).

Segundo o levantamento desta segunda-feira (5), Manoela D’Ávila (PCdoB) está na frente, com 24%, na corrida pela Prefeitura de Porto Alegre e em Belém Edmilson Rodrigues (PSOL) lidera com 39%.

O Ibope diz que vê vantagem dos candidatos conservadores mais velhos que têm maior recall da eleição 2018, o que dificulta a vida de “novos bolsonaristas” de São Paulo como Joice Hasselmann (PSL) e Arthur do Val (Patriota), ambos com 1%.

Em Belo Horizonte a situação se repete com o bolsonarista Bruno Engler (PRTB), que em apenas 3%. Ele desafia o prefeito Alexandre Kalil (PSD), que lidera com 58%.

No Rio, Eduardo Paes (DEM) lidera com 26% e em segundo lugar está o candidato do presidente Jair Bolsonaro –Marcelo Crivella (Republicanos), com 17%.

Em São Paulo, o deputado e apresentador Celso Russomanno (Republicanos) lidera com o apoio do presidente. Ele tem 26% ante 21% do prefeito Bruno Covas (PSDB).

Numa eleição que a esquerda lidera nos extremos do País, Norte e Sul, o Centrão tem tudo para levar a melhor. Pelo menos até agora.