Piada pronta: Trump é indicado ao prêmio Nobel da Paz por deputado racista

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, foi indicado ao Prêmio Nobel da Paz, anunciou nesta quarta-feira (9), o site do canal de notícias norte-americano Fox News. De acordo com a reportagem, a indicação de Trump foi feita pelo parlamentar norueguês Christian Tybring-Gjedde, que também atua como presidente da delegação norueguesa na Assembleia Parlamentar da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan).

Em entrevista a Fox News, o norueguês destacou o papel do presidente norte-americano para consolidação do acordo entre Emirados Árabes Unidos e Israel. “Por seu mérito, acho que ele fez mais tentando criar a paz entre as nações do que a maioria dos outros indicados ao Prêmio da Paz”, disse Tybring-Gjedde.

Ainda de acordo com a rede americana, a carta de indicação enviada pelo parlamentar ao comitê do Nobel aponta o acordo Israel-Emirados Árabes como um possível “momento de virada” nas relações do Oriente Médio, criando as condições para a cooperação e prosperidade na região. O acordo fomentado pelo presidente norte-americano é bastante precário e foi contestado por diversos países árabes.

As justificativas apresentadas pelo deputado norueguês ao comitê dirigente do Prêmio Nobel são pura propaganda política para ajudar a campanha de reeleição de Donald Trump.

O parlamentar norueguês Tybring-Gjedde é ferozmente contra a imigração e uma vez comparou o hijab a roupas usadas pelos nazistas e pela Ku Klux Klan. O deputado é um admirador do presidente norte-americano.

LEIA TAMBÉM:

Flávio Bolsonaro: MP-RJ vai apresentar denúncia sobre os crimes de peculato e lavagem de dinheiro

Presidente da OAB vira alvo de robôs bolsonaristas após delação

Lava Jato ataca escritório de advogado de Lula em nova operação midiática

Testes da vacina da AstraZeneca contra Covid-19 são suspensos

A vacina contra Covid-19 que está sendo desenvolvida pela AstraZeneca e pela Universidade de Oxford teve seus testes suspensos nesta terça-feira (8). No Brasil, a mesma vacina está sendo testada em parceria com a Fiocruz.

A pausa no processo aconteceu após um paciente apresentar reações adversas durante testes no Reino Unido. De acordo com o site Stat, um porta-voz da AstraZeneca disse em um comunicado que o “processo de revisão padrão da empresa acionou uma pausa na vacinação para permitir a análise dos dados”.

A empresa não detalhou qual foi a reação adversa da vacina no participante do teste.

O porta-voz descreveu a pausa como “uma ação de rotina que deve acontecer sempre que houver uma doença potencialmente inexplicada em um dos testes”. Ele também disse que a empresa está “trabalhando para agilizar a revisão do evento único para minimizar qualquer impacto potencial no cronograma do teste”.

Ainda não se sabe em qual fase dos testes a reação adversa apareceu, mas o Reino Unido – assim como o Brasil – já estava rodando a fase 3 do ensaio clínico. Considerada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como um dos projetos mais promissores até o momento, a fase 3 da vacina de Oxford é a última etapa de testes em seres humanos para determinar sua segurança e eficácia.

*Com informações de agências internacionais