Flávio Bolsonaro: MP-RJ vai apresentar denúncia sobre os crimes de peculato e lavagem de dinheiro

O Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ) deve formalizar nos próximos dias a denúncia contra o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) no caso das “rachadinhas” em seu gabinete quando era deputado estadual na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj).

De acordo com a colunista Bela Megale, do jornal O Globo, o parlamentar será acusado formalmente na Justiça pelos crimes de peculato, organização criminosa e lavagem de dinheiro.

Ainda segundo a jornalista, outro fator considerado para que a acusação seja oferecida ainda neste mês é a eleição do próximo procurador-geral de Justiça do Estado, que acontece no fim do ano. Integrantes do MP do Rio avaliam que o processo de Flávio Bolsonaro está se refletindo na eleição interna. O grupo entende que a denúncia pode ajudar a separar os temas.

Nas últimas semanas, aumentaram as especulações de que o governo Bolsonaro estaria interferindo na escolha do próximo chefe do órgão para beneficar o filho e a família em investigações que correm no MP.

LEIA TAMBÉM:

Fim da proscrição política de Lula é uma exigência democrática

Presidente da OAB vira alvo de robôs bolsonaristas após delação

Testes da vacina da AstraZeneca contra Covid-19 são suspensos

Lava Jato ataca escritório de advogado de Lula em nova operação midiática

O escritório do advogado Cristiano Zanin Martins, que defende o ex-presidente Lula, foi alvo de um ataque da força-tarefa Lava Jato na manhã desta quarta-feira (9).

A ‘Operação E$quema S’ investiga suposto desvio de pelo menos R$ 150 milhões do Sesc, Senac e Fecomércio.

O escritório de Cristiano Zanin Martins foi delatado por Orlando Diniz, ex-presidente da Fecomércio.

Segundo a Lava Jato, a ‘Operação E$quema S’ investiga desvios de pelo menos R$ 150 milhões do Sistema S do RJ por escritórios de advocacia no Rio e em São Paulo, para propinas a agentes públicos. A operação é baseada em uma delação premiada de Orlando Diniz, ex-presidente da Fecomércio.

A operação da Lava Jato ocorre dois dias após o ex-presidente Lula fazer um pronunciamento à Nação, no 7 de Setembro, e se colocar como candidato à presidência em 2022. O Blog do Esmael não acredita em coincidências.

Além de atingir o escritório de Zanin, a ‘Operação E$quema S’ deu uma desbaratinada ao cumprir mandados também contra os advogados Frederick Wassef (ex-advogado da família Bolsonaro) e Ana Tereza Basílio (Wilson Witzel).

Nessa operação de hoje, o presidente Jair Bolsonaro, o ex-presidente Lula e governador afastado Wilson Witzel não são investigados.

A Polícia Federal informa que cumpriu 50 mandados de busca e apreensão. Nenhum de prisão.