PSOL entra com pedido de CPI para apurar depósitos de R$ 72 mil feitos por Queiroz a Michele Bolsonaro

A bancada do PSOL na Câmara dos Deputados começou a colher assinaturas para instalar uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) com a finalidade de investigar as transferências feitas por Fabrício Queiroz à primeira-dama Michelle Bolsonaro.

A quebra do sigilo bancário de Queiroz, que foi assessor do senador Flávio Bolsonaro na época em que ele era deputado estadual no RJ, mostrou que a primeira-dama recebeu R$ 72 mil em 21 cheques diferentes em sua conta, depositados entre 2011 e 2018.

LEIA TAMBÉM
Bolsonaro dá início à privatização das subsidiárias da Caixa

PGR recorre de decisão de Fachin que impediu acesso a caixa-preta da Lava Jato

Brasil chega a 99.572 falecimentos por Covid-19, diz Conselho Nacional de Secretários de Saúde

No requerimento, os parlamentares do partido argumentam que “é preciso investigar, através desta CPI, se houve a obtenção ilícita de recursos pelo presidente da república através da primeira-dama, Michelle Bolsonaro”.

O documento ainda afirma que a comissão deverá apurar “se Michelle Bolsonaro tem sido utilizada como “laranja” para as atividades criminosas do Presidente da República e sua prole”.

Para a líder do partido na Câmara, Fernanda Melchionna, também está claro que o presidente Jair Bolsonaro mentiu quando disse que um desses depósitos era para pagamento de uma dívida pontual: “São fatos agora revelados – essas contradições e inconsistências – que foram trazidos à tona. Por isso a bancada do PSOL está protocolando um pedido de CPI para investigar esses possíveis crimes. Apenas queremos que a verdade venha à tona”, disse a deputada.

A informação é do PSOL