Com mais de 113 mil mortes, Bolsonaro fará evento “Brasil vencendo a Covid-19”

O governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) promoverá na próxima segunda-feira (24) o evento “Encontro Brasil vencendo a Covid-19”.

A cerimônia, que contará com a presença de Bolsonaro e de seus ministros, está prevista para ocorrer às 11 horas no Palácio do Planalto, será aberta à imprensa e transmitida ao vivo pela TV Brasil. O governo não forneceu mais detalhes.

LEIA TAMBÉM
Folha “Oficial da União” ataca PT em editorial escroto

Argentina congela preços de serviços essenciais e bolsonaristas ficam ensandecidos no Brasil

Papa chuta o balde de novo ao condenar uso de religiões para incitar violência

O evento foi anunciado na noite desta sexta (21), dia em que o país registrou 113.454 óbitos e 3.536.488 infecções pelo novo coronavírus.

No mundo, apenas os Estados Unidos têm números piores, com quase 175 mil mortos e mais de 5,6 milhões de casos confirmados da doença, de acordo com a Universidade Johns Hopkins.

Com informações do UOl

Covid-19: Governo Bolsonaro desperdiçou mais de R$ 12 milhões

O governo do presidente Jair Bolsonaro já desperdiçou 12,9 milhões destinados ao combate da pandemia de Covid-19. A informação é do Conselho Nacional de Saúde (CNS). O montante foi destinado por Medidas Provisórias (MPs), que perderam a validade.

O Conselho Nacional de Saúde (CNS), que tem acompanhado os investimentos do Ministério da Saúde semanalmente, tem alertado para as dificuldades na execução dos gastos na pasta. “Estamos em uma situação emergencial. Não tem explicação para a demora em gastar”, disse o economista Francisco Funcia, segundo informou Mônica Bergamo, na coluna Painel da Folha de São Paulo.

De acordo com a publicação, outras duas medidas vencem em breve: a MP 967, que previa gastos de R$ 5,5 bilhões, mas até agora R$ 3 bilhões permanecem nos cofres públicos, e a MP 969, que previa R$ 10 bilhões e teve 54%, ou seja, R$ 5,4 bilhões gastos até agora. Enquanto a primeira expira no dia 16 de setembro, a segunda vence no dia 17.

O CNS questiona o Ministério da Saúde sobre o cancelamento de empenhos e em que ações os recursos deixaram de ser executados.