The Guardian: bolsonarista profana memorial de 40 mil vítimas de coronavírus no Brasil

O jornal britânico The Guardian, estupefato, registra que um apoiador do presidente Jair Bolsonaro profanou memorial para 40 mil vítimas do coronavírus no Brasil.

“Apoiador de Bolsonaro profana memorial de praia no Brasil por 40.000 vítimas de coronavírus”, registrou nesta quinta-feira (11) a publicação.

Hoje, no Rio, ativistas montaram um cemitério simbólico com 100 covas na praia de Copacabana para representar as vidas brasileiras perdidas durante a pandemia de Covid-19.

“Um homem vandalizou um cemitério falso de cem túmulos e cruzes representando pessoas que morreram de Covid-19”, anotou o The Guardian, algo impossível de acontecer no Reino Unido ou na Europa.

As bizarrices de “torcedores” e do próprio presidente Bolsonaro vêm chamando a atenção do mundo inteiro acerca do coronavírus. O mandatário brasileiro alterna ora o negacionismo absoluto da doença, classificando-a como “gripezinha”, ora usando o vírus para interromper a escolha democrático dos reitores das universidades federais do País.

“Eles sentem tanta raiva – e acho que estão reproduzindo o comportamento da pessoa que ocupa a posição mais alta do país”, declarou após o incidente Antônio Carlos Costa, fundador da ONG Rio de Paz.

Nesta quinta, feriado religioso de “Corpus Christis” no Brasil, estima-se 41 mil mortes e 800 mil casos confirmado de coronavírus.

LEIA TAMBÉM
Sérgio Moro diz que foi “constrangedor” ser padrinho de Carla Zambelli

Datena anuncia disputa da eleição em São Paulo; apresentador pode ser vice de Covas

BOMBA: Lula diz que Bolsonaro foi eleito com ‘muito dinheiro’ estrangeiro

Notícias ao vivo do Coronavírus: João Doria anunciou a vacina, mas não entregou o que prometeu

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), colocou o mundo em polvorosa na manhã desta quinta-feira (11) ao anunciar a produção de vacina contra o coronavírus.

Apesar do otimismo do comunicado, o tucano não atendeu à forte expectativa que criou. Doria não entregou o que prometeu: a produção em massa da vacina contra o coronavírus.

Na entrevista coletiva à imprensa, encerrada por das 14h, o governador de São Paulo reduziu a “produção da vacina” para uma parceria entre o Instituto Butantan e o laboratório chinês Sinovac Biotech.

O tucano reduziu a expectativa que ele mesmo gerou no Twitter.

Pós-coletiva, caberia uma retificação do governo de São Paulo: caso os testes sejam bem-sucedidos, a vacina poderá ser produzida no Brasil e disponibilizada pelo SUS a partir de junho de 2021.

Já os testes, esses sim, seriam realizados com 9 mil voluntários ainda no mês que vem.

Para os bolsonaristas e o gabinete do ódio, que disseminam fake news, João Doria se precipitou e divulgou mais uma “notícia falsa” em meio à pandemia de coronavírus.

Doria, por sua vez, na coletiva, disse temer uma campanha contra a vacinação.

O Blog do Esmael adverte, no entanto, que para haver campanha contra a vacinação –primeiro– precisa existir a vacina.

Infelizmente, a vacina ainda não existe. Por isso é importante que as pessoas continuem observando as orientações de distanciamento social, higiene e uso de máscara.

É isso.