Sérgio Moro diz que foi “constrangedor” ser padrinho de Carla Zambelli

Nunca convide o ex-ministro Sérgio Moro para padrinho, seja de casamento, seja de batizado de seu filho. O moço se desfeita nesta quinta-feira (11) do convite que recebeu para ser padrinho de casamento da deputada Carla Zambelli (PSL-SP). Ela se casou em fevereiro deste ano com coronel da PM cearense Aginaldo de Oliveira.

O ex-ministro e ex-juiz Moro, em entrevista à Rádio Gaúcha, afirmou hoje pela manhã que foi “constrangedor” ser padrinho da parlamentar bolsonarista.

“Eu pouco conheço a Zambelli. Essa questão do padrinho foi aquele tipo de convite que você fica um pouco constrangido ‘ah, vamos lá prestigiar e tal’, mas não tenho relacionamento pessoal próximo, nunca tive, com a deputada”, garantiu.

O arroz doce azedou entre a deputada e seu “ex-padrinho” de casamento depois que Moro saiu do Ministério da Justiça atirando contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

De acordo com o ex-padrinho, Bolsonaro quis interferir nas investigações da Polícia Federal e tentou comprar Moro com uma vaga no Supremo Tribunal Federal (STF).

Como de praxe, Sérgio Moro vazou para a Globo uma mensagem que recebeu da deputada Carla Zambelli: “Por favor, ministro aceite o [Alexandre] Ramagem [no comando da PF] e vá em setembro para o Supremo Tribunal. Eu me comprometo a ajudar a fazer Bolsonaro prometer”.

Depois de exposta no Jornal Nacional, a parlamentar aliada de Bolsonaro acusou o ex-juiz da Lava Jato de perseguir o PT e poupar o PSDB durante o petrolão.

“Essas questões que a Lava Jato teria sido politicamente orientada, isso é um discurso de muitas pessoas, o velho álibi da perseguição política, não me reporto ao que diz a deputada em questão”, desconversou Moro na entrevista à rádio de Porto Alegre (RS).

LEIA TAMBÉM
Rejeitado em palestra na UBA, ex-juiz Sérgio Moro contra-ataca com ‘live’ na Argentina

Sergio Moro, ameaçado de impugnação, poderá advogar, diz presidente da OAB

Lula: ‘Não haveria governo Bolsonaro sem Moro’

Datena anuncia disputa da eleição em São Paulo; apresentador pode ser vice de Covas

O apresentador José Luiz Datena anunciou nesta quinta-feira (11) que será candidato pelo MDB nas eleições municipais de São Paulo. “Vai ser um ladrão a menos na política”, jurou o dublê de comunicador e político.

PUBLICIDADE

Datena garantiu que ainda não decidiu se vai concorrer ao cargo de prefeito ou de vice-prefeito. Ao confirmar sua candidatura no início desta tarde, o apresentador da Band alfinetou políticos: “Nunca roubei na minha vida. Posso não ser o melhor candidato, mas ladrão eu não sou”, insistiu.

As declarações foram feitas enquanto ele entrevistava o jornalista Leo Dias ‘No Papo com Datena’, o seu canal no YouTube.

Questionado sobre se voltaria a ser candidato neste ano, o âncora do Brasil Urgente respondeu: “No meio desse monte de coisa, eu tenho, na realidade, duas propostas: Uma, bem clara, de ser candidato a vice. Praticamente acordada”, disse.

Recentemente, Datena publicizou um rompimento com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Após a divulgação do vídeo da reunião ministerial, ocorrida em 22 de abril, o apresentador da Band afirmou ao vivo na TV que jamais entrevistaria de novo o ocupante do Palácio do Planalto.

Dito isso, a condição de candidato o aproxima do PSDB em São Paulo. Pela fala de Datena, nesta quinta, ele pode ser o vice na chapa do atual prefeito Bruno Covas (PSDB).

O apresentador José Luiz Datena, após a banana que deu ao vivo para Bolsonaro, pode querer roubar a bandeira de oposição à imbecilidade que tomou conta do governo federal.

“Tem também a probabilidade de ser candidato a prefeito”, despistou, após admitir concorrer a vice. Segundo ele, seria a oportunidade de aprender com quem já é do ramo.

Em 2018, Datena chegou a anunciar sua candidatura ao Senado, mas acabou recuando por não ter experiência na política.

“Estou mais próximo de ser candidato dessa vez, ou a vice, que aí eu não saio com o nariz no vento e vou no vácuo de alguém até aprender como administrar uma cidade”, continuou. “Acho que para ser prefeito direto, é meio complicado”, afirmou.

O jornalista revelou que desta vez seus filhos não estão mais tão preocupados com sua saída da TV para entrar no meio político. “Ano passado houve certa resistência. A pessoa que mais me apoiou foi minha mulher. Agora, o povo [de casa] não está nem aí mais comigo”, brincou o apresentador.

Datena contou que sua principal motivação é ajudar as pessoas: “Estou vendo tanta roubalheira no meio da pandemia… Está na hora de dar uma virada na minha cadeira. Gostaria de ajudar muita gente”, assegurou. “A chance é maior do que quando concorri ao Senado”, também disse.

Assista a íntegra da entrevista com Kondzilla e Leo Dias:

BOMBA: Lula diz que Bolsonaro foi eleito com ‘muito dinheiro’ estrangeiro

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) denunciou durante uma entrevista coletiva, nesta quinta-feira (11), que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) foi eleito, em 2018, com ‘muito dinheiro’ estrangeiro. O petista disse esperar que essa questão seja esclarecida pela CPMI das Fake News.

Lula foi entrevistado nesta tarde por 9 blogueiros e youtubers, após o petista se recusar a dar entrevista para a TV Globo. O ex-presidente afirmou que a emissora dos Marinho lhe deve desculpas pelas mentiras que conta todos os dias a seu respeito.

Na entrevista que durou cerca de duas horas e meia, Lula fulminou a ideia de frente única proposta por FHC e Ciro Gomes. Segundo o ex-presidente, esse modelo não vingará no Brasil. No entanto, o petista destacou a importância de uma frente eleitora com programa democrático, que condene as privatizações e defenda distribuição de renda.

O ex-presidente Lula disse ainda que Bolsonaro foi eleito graças a Ciro Gomes e ao ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. “O Ciro viaja para Paris, o FHC anula o voto e eles vêm dizer que PT elegeu Bolsonaro? Tenha dó”, criticou.

O petista também deu mais um ‘peteleco’ na orelha do ex-juiz Sérgio Moro, virtual candidato da Globo em 2022: “Eu tô provocando o Moro e o [Deltan] Dallagnol pra debater comigo, ao vivo. Se a Globo quiser fazer, eu topo. Porque é preciso desmascarar esses canalhas e mostrar o que eles fizeram ao país”, desafiou.

Ao responder sobre “fundamentalismo religioso”, Lula opinou dizendo que os pastores não tem a importância eleitoral que acreditam ter. Ele citou nominalmente o pastor Silas Malafaia. “Se o Malafaia tivesse alguma importância ele seria o candidato [à Presidência da República]”, disparou.

O ex-presidente Lula asseverou que eleitor não tem dono e que candidato não deve ter preconceito, principalmente religioso.

Lula encerrou a coletiva com os youtubers revelando que se sente mais preso hoje do que quando estava na PF, em Curitiba. Ele disse está bastante irritado com esse momento de pandemia de coronavírus, mas, garantiu, continua em distanciamento social desde 12 de março.

Assista a íntegra da entrevista: