Governo recua e desiste de usar dinheiro do Bolsa Família em publicidade

O governo Bolsonaro recuou nesta terça-feira (9) sobre a retirada de dinheiro do Bolsa Família e transferência para a Secretaria de Comunicação (Secom) para gastos com a publicidade oficial do presidente da República.

Na semana passada, a equipe do presidente Jair Bolsonaro cortou R$ 83,9 milhões do orçamento do programa social que atende famílias em situação de pobreza ou extrema pobreza. O corte atingia as verbas do Bolsa para a região nordeste

Após pressão dos estados, o governo publicou uma portaria revogando a decisão anterior. Assim, o dinheiro retorna ao orçamento do Bolsa Família.

Na última sexta-feira (5), procuradores-gerais dos nove estados do Nordeste ingressaram com ação no Supremo Tribunal Federal (STF) pedindo a suspensão do corte no Bolsa Família.

LEIA TAMBÉM:

PGE é favorável ao compartilhamento de provas contra Bolsonaro do STF com o TSE

Maia rebate Bolsonaro e defende corte de salários nos Três Poderes

OMS esclarece que assintomáticos podem transmitir covid-19

O governo federal alega que a realocação de recursos tem relação com o auxílio emergencial, já que quem recebe o Bolsa Família não pode acumular os dois benefícios.

“Nenhum beneficiário do Programa Bolsa Família foi prejudicado no recebimento de seu benefício e, com a instituição do Auxílio Emergencial no âmbito do coronavírus, a maioria teve benefícios superiores”, diz nota do Ministério da Economia.

O programa Bolsa Família atende cerca de 14 milhões de famílias no Brasil.