Era só o que faltava: nuvem de gafanhotos se aproxima do Brasil, além de Bolsonaro e da Covid-19; veja

Uma forte e devastadora nuvem de gafanhotos avança entre a fronteira da Argentina com o Rio Grande do Sul, os insetos destruíram lavouras por onde passaram no território argentino.

O Serviço Nacional de Saúde e Qualidade Agroalimentar (Senasa), órgão do governo da Argentina, monitora a nuvem de gafanhotos, que entrou no país no dia 17 de junho pela província de Santa Fé. Dois dias depois, avançou pelo rio Paraná até Corrientes.

Segundo a Senasa, em aproximadamente um quilômetro quadrado podem ter até 40 milhões de insetos, que consomem em um dia pastagens equivalentes ao que 2 mil vacas ou 350 mil pessoas comem.

Os insetos não causam danos às pessoas, apenas a culturas e pastos. “As nuvens de gafanhotos podem passar por vilas ou cidades, mas não causam danos diretos aos seres humanos. Podem causar danos às culturas e aos pastos, mas não constituem um risco para as pessoas”, segundo o comunicado da Senasa.

LEIA TAMBÉM:

Trump determina a prisão para quem derrubar estátuas e monumentos

Advogado ligado a Flávio Bolsonaro acusado de atrapalhar inquérito perde cargo

Datena para ser candidato em SP terá que sair da Band até segunda

As principais regiões atingidas na Argentina são as províncias de Santa Fé, Formosa e Chaco, onde existe produção de cana-de-açúcar e mandioca e a condição climática é favorável.

O Brasil, que enfrenta o desastroso governo Bolsonaro e o avanço da pandemia do coronavírus, agora poderá sofrer graves consequências na Agricultura com a chegada da nuvem de gafanhotos.

Era só o que faltava…Não merecemos.