Plantão da Globo: Brasil tem 35.206 mortes e 645.771 casos de coronavírus

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) chamou hoje (6) à noite a Rede Globo de “TV Funerária” por causa dos boletins dos casos do novo coronavírus no País.

‘Acabou matéria do Jornal Nacional’, disse o presidente sobre o atraso dos boletins diários.

Além disso, para ferrar o Jornal Nacional, Bolsonaro determinou que os dados do Ministério da Saúde fosse divulgados somente após as 21h30 –quando o telejornal da Globo terminasse.

O deboche ocorreu em frente ao Palácio da Alvorada, residência oficial da Presidência da República.

Pois bem, Jair Bolsonaro não contava com a astúcia de William Bonner. O apresentador do JN chamou o “Plantão” e detonou os dados com aquela vinheta diabólica, que assusta ao pegar o telespectador de surpresa.

“Bonner entrando ao vivo no plantão da Globo pra informar os dados que o governo não queria que eles informassem no Jornal Nacional”, anotou Jorge Souza.

Segundo os dados divulgados pelo Ministério da Saúde, o Brasil tem 35.206 mortes e 645.771 casos de coronavírus confirmados nesta sexta-feira.

LEIA TAMBÉM

Apesar de ameaça de morte, Boulos reforça convocação para ato em defesa da democracia no domingo

Ao vivo: Saiba por que Bolsonaro teme a manifestação Antifas de domingo

Parlamentares de 10 partidos assinam pedido de CPI contra Moro

Bolsonaro manda atrasar boletins da Covid-19 para não passar em telejornais

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) mandou o Ministério da Saúde atrasar os boletins diários sobre a situação do novo coronavirus no país para que os números não sejam divulgados nos telejornais noturnos. A informação é do jornal Correio Braziliense.

A ordem do presidente foi dada para que os dados sejam enviados à imprensa somente às 22h, e não às 19h, como estava ocorrendo.

A intenção é prejudicar a cobertura dos telejornais que tem maior audiência, como no caso do Jornal Nacional, da TV Globo.

A medida já começou a valer nessa quinta-feira (4), quando o Brasil atingiu a marca de 34.021 mortos pela covid-19, ultrapassando a Itália. Foram 1.473 óbitos em 24 horas, novo recorde. Os casos confirmados da doença chegaram ao número de 614.941.

Pelo Twitter, o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), criticou o atraso na publicação dos dados por parte do governo.

“Na pandemia, a divulgação de dados oficiais envolve, além do dever de prestar contas, uma questão de saúde pública. Dados do @minsaude são fundamentais às respostas à #COVID19 e devem estar abertos ao público, aos gestores e, portanto, à imprensa de forma consistente e ordenada”, escreveu Gilmar.