Parlamentares de 10 partidos assinam pedido de CPI contra Moro

Deputados de dez partidos – PSL, PT, PSDB, DEM, Podemos, PSOL, PSB, Rede, PCdoB e PV – já assinaram pedido para instalação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) com o objetivo de investigar o ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro.

De acordo com o documento, protocolado em abril pelo deputado Rogério Correia (PT-MG) a intenção é apurar “os indícios de supostos crimes do Sr. Sergio Moro quando ministro, como prevaricação, obstrução a investigações, advocacia administrativa, dentre outros, tudo em proveito próprio ou alheio”.

Proposto pelo deputado Rogério Correia, o pedido de CPI visa a apurar “os indícios de supostos crimes do Sr. Sergio Moro quando ministro, como prevaricação, obstrução a investigações, advocacia administrativa, dentre outros, tudo em proveito próprio ou alheio”.

Entre os signatários da CPI estão os deputados Kim Kataguiri, do DEM, Carlos Sampaio, Alexandre Frota e Samuel Moreira, do PSDB, e Marcelo Freixo, Luiza Erundina, David Miranda, do PSOL.

Ao todo, para instalação da CPI, são necessárias 171 assinaturas. Até agora, o documento conta com 83. Segundo Correia, há um trabalho para ampliar o número de apoios.

LEIA TAMBÉM:

Com medo de cassação, Bolsonaro pede para TSE não usar provas do inquérito das fake news

Câmara dos Deputados emite parecer esclarecendo que artigo 142 da Constituição não autoriza intervenção militar

Líderes da Oposição e da Minoria na Câmara repudiam tentativa de criminalizar manifestações pró-democracia

“Enviei ao Ministério da Justiça documentos para investigar integrantes da operação Lava-Jato e nada foi feito. Ele prevaricou porque escondeu denúncias contra o presidente [Jair Bolsonaro]”, declarou o parlamentar.

“É extremamente necessário que neste momento, quando o Sr. Sergio Moro não mais goza foro privilegiado, ou blindagem política por parte daqueles que impediram maior averiguação no passado, que a Câmara dos Deputados realize uma ampla e profunda investigação sobre o conteúdo das ilegalidades trazidas pelo The Intercept, além dos indícios de diversos crimes cometidos no cargo de Ministro da Justiça e Segurança Pública, como condescendência criminosa, prevaricação, obstrução à investigações e advocacia administrativa, dentre outros”, diz o documento.