General Heleno sobre a Globo: ‘é melhor ver veadinho na floresta pelo Animal Planet’

O ministro-chefe do GSI (Gabinete de Segurança Institucional), general da reserva Augusto Heleno, afirmou que prefere assistir no Animal Planet um veadinho sendo atacado por um leão na floreta do que assistir à TV Globo.

“A gente mexe pra lá, mexe pra cá, zapeia, e acaba vendo Animal Planet. Chega a um ponto em que não dá, melhor ver suricato e leão atacando veadinho da floresta”, disse o ministro, principal conselheiro do presidente Jair Bolsonaro. Ele respondeu se o governo não estimularia veículos de comunicação para defendê-lo: “Temos um instrumento que são as redes sociais.”

General Heleno também jurou que os militares não farão uma intervenção para instalar uma ditadura n Brasil. Até porque, convenhamos, os militares já estão no poder. Basta o distinto público contar a quantidade de fardados em boquinhas estratégicas no governo. Só no Ministério da Saúde, em uma semana, foram nomeados 14 militares em posições importantes.

O ministro do GSI participou na noite desta quarta-feira (20) de uma live do grupo denominado “Personalidades em Foco”. Durante a transmissão, Heleno assegurou que “não passa [pela cabeça] ditadura, intervenções, isso são provocações feitas por alguns indivíduos que não têm coragem de dizer quais são suas ideologias, que ficam provocando os militares para ver se nós vamos reagir”.

Contrariando a realidade, em que os militares se chafurdam na velha política, Heleno disse que “nossos instrutores, vacinados por toda aquela trajetória de militares se intrometendo de uma forma pouco aconselhável, mas muitas vezes necessária, na política”. Ele também chutou a imprensa militantes da direita, qual seja, Globo, Folha, Estadão, Veja, et caterva: “Na hora de apresentar os fatos, a gente percebe. É uma total contaminação dessa parte da imprensa. Só pode ser para derrubar o presidente da República. Não tem outra explicação”, disparou.

“A mídia só procura as coisas para falar mal do governo. Isso é lamentável, porque é contra a nossa visão de democracia e liberdade de imprensa. Não têm nenhum reconhecimento, é duro. Mas vamos lá, eles não vão conseguir baixar o moral da gente”, prometeu o general Heleno.

LEIA TAMBÉM
Bolsonaristas não cansam de passar vergonha com a Cloroquina; assista

Para comemorar pedido de impeachment, Bolsonaro reajusta gasolina pela 3ª vez em maio

Auxílio emergencial foi iniciativa da oposição, diz Gleisi Hoffmann

Impeachment de Bolsonaro e projeto alternativo

Daqui a pouco, a partir das 11h, cerca de 400 entidades irão protocolar um pedido coletivo de impeachment do presidente Jair Bolsonaro. O pedido é assinado por partidos políticos –-PT, PC do B, PSOL, PSTU, PCB, UP e PCO-– juristas, intelectuais e mais de trezentas entidades da sociedade civil. O Blog do Esmael vai transmitir o evento ao vivo para o Brasil e o mundo.

O líder da Minoria na Câmara, deputado José Guimarães (PT-CE), durante sessão remota da Câmara nesta quarta-feira (20), explicou que o pedido ocorre diante da profunda incompetência de Bolsonaro, suas constantes agressões à Constituição e à democracia bem como pela falta de ação para proteger a população da pandemia de coronavírus.

“O Brasil não suporta mais de três anos de governo Bolsonaro. Ele é inepto, não tem condição política, não tem credibilidade. E a pesquisa XP Investimento de hoje é retrato disso, ao apontar que a aprovação (do governo) caiu para 25%. É um Governo que não está preparado para enfrentar minimamente a crise provocada pela Covid-19 e muito menos para governar o Brasil”, denunciou.

Guimarães tem razão nesse aspecto da má gestão em relação à pandemia, mas é preciso um projeto econômico alternativo ao governo para que prospere politicamente o pedido de impeachment. Porque, pode apostar, ninguém corre atrás de “propostas vazias”.

O líder da Minoria destacou que o atual presidente demonstrou que não tem mais condições de governar o País, e que, por muito menos e em um caso até de forma injusta –-como foi o da ex-presidenta Dilma Rousseff– , outros processos de impeachment resultaram na queda de presidentes.

“O Collor caiu por causa de um Fiat Elba, a Dilma caiu porque inventaram uma tal pedalada fiscal. E esse governo já cometeu, só nas minhas contas, mais de 20 crimes de responsabilidade. E o Congresso, não vai fazer nada? O Congresso não pode se silenciar frente a isso, o que está em jogo não é partido A ou B, é a democracia”, disse.

Motivo econômico
Bolsonaro e seu ministro Paulo Guedes desgraçaram a economia e enfiaram o Brasil na depressão econômica, antes mesmo da pandemia de coronavírus. Ambos empurraram o País, com a ajuda da velha mídia, nos maiores índice de desemprego do planeta, aprofundaram a pobreza e a miséria, precarizaram o trabalho e arrocharam os salários, eliminaram direitos como aposentadoria, 13º salário, uberizaram a pátria, privilegiaram bancos e especuladores com o Orçamento da União em detrimento do povo.

Governo péssimo
Durante o pronunciamento, José Guimarães fez um apelo para que outros partidos de Oposição ao governo Bolsonaro, como PDT, PSB e Cidadania, também assinem o pedido de impeachment. Segundo ele, até mesmo outros partidos fora do campo da esquerda também podem aderir ao pedido de impeachment.
Democracia

“Nós podemos ter divergência de vários partidos, como o PSDB e outras forças políticas de centro, mas não é compatível minimamente com uma democracia robusta, como é a brasileira, ter um governo inepto que só faz uma única coisa: agride as pessoas, a democracia e o Parlamento brasileiro. Por isso, tem que ser impeachment já! Não há outro caminho para salvar o Brasil”, afirmou o líder da Minoria.

Segundo o ele, discursos proferidos no Parlamento chamando para uma hipotética unidade política para enfrentar a atual crise sanitária derivada da pandemia, e a crise econômica futura em consequência do vírus, esbarram justamente na ação do atual presidente Jair Bolsonaro.

“Qual é o empecilho maior, que interdita qualquer possibilidade de unidade nacional em torno de um projeto de desenvolvimento nacional? É exatamente Bolsonaro. O problema, meus caros colegas parlamentares, é que nós temos um presidente que não inspira a menor confiança para se fazer qualquer unidade. Apesar de toda a rede de ilegalidades que ele constituiu para ganhar a eleição, Bolsonaro não foi eleito para criar a instabilidade que ele está criando, para dizer que a Covid-19 é uma gripezinha”, ressaltou Guimarães.

Incapacidade de governar o País
Segundo o parlamentar, o atual presidente demonstra por atitudes e atos que não se importa com a vida e o drama das famílias brasileiras que sofrem com a Covid-19 e que nada faz para amenizar a crise enfrentada pelos estados brasileiros. Ele lembrou que o Congresso está atuando para tentar atenuar os efeitos da crise, mas Bolsonaro boicota essas ações.

“Cadê o Projeto de Lei 873/2020, que votamos para conceder auxílio a várias pessoas necessitadas e recebeu 28 vetos do presidente?” indagou. Ele observou que pescadores artesanais, pipoqueiros, manicures e várias outras categorias estão “abandonados ao relento, sem poder receber o auxílio, porque Bolsonaro vetou numa canetada só”. Segundo Guimarães, “a caneta Bic que Bolsonaro usou na posse está servindo para fazer crueldade com os brasileiros e brasileiras”.