Senado votará ampliação do auxílio emergencial nesta quarta

Foto: Jane de Araújo/Agência Senado

O Senado Federal votará nesta quarta-feira (22) a proposta que amplia para mais pessoas o direito de receber o auxílio emergencial de R$ 600,00. A sessão deve começar às 16 horas.

O texto é um substitutivo da Câmara dos Deputados ao projeto do Senado que estende o benefício para categorias como caminhoneiros, diaristas, garçons, catadores de recicláveis, motoristas de aplicativos, manicures, camelôs, garimpeiros, guias de turismo, artistas, taxistas, entre outros (PL 873/2020).

O texto do Senado inclui no auxílio os  sócios de empresas que estão inativas e as mães adolescentes menores de 18 anos.

Também estende para aos lares monoparentais a possibilidade de receberem duas cotas do auxílio emergencial (R$ 1.200), uma vez que a lei havia restrito essa possibilidade apenas às mulheres chefes de família.

LEIA TAMBÉM
#CaixaTemNAOFUNCIONA mostra a burocracia e as dificuldades dos R$ 600

Chanceler do Brasil surta e “denuncia” ameaça do “Comunavírus”

Prefeito de Manaus chora ao exigir respeito de Bolsonaro para coveiros

A proposta é do senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) e foi relatado pelo senador Esperidião Amin (PP-SC) no Senado, onde foi aprovado por unanimidade. Ao passar pela Câmara, no entanto, ele ganhou emendas e, por isso, deve ser analisado novamente pelos senadores.

A Câmara foi além e incluiu entre os possíveis beneficiários vendedores porta a porta, esteticistas, pessoas que atuam na economia solidária e pescadores artesanais que não recebam o seguro-defeso, entre outros.

Também poderão receber o auxílio os empregados de contrato de trabalho intermitente, aqueles com renda mensal inferior a um salário mínimo, bem como aqueles empregados rurais e domésticos, ainda que tenham contrato de trabalho formalizado.

O texto também veda que instituições financeiras responsáveis pelo pagamento efetuem descontos a pretexto de recompor saldos negativos ou saldar dívidas preexistentes dos beneficiários. Ou seja, se alguém estiver devendo ao banco, o auxílio não poderá ser automaticamente retirado para cobrir a dívida.

O substitutivo da Câmara proíbe a recusa do auxílio emergencial a quem declarar não ter CPF. O governo se comprometeu a regulamentar o tema a fim de evitar fraudes, indicando os documentos que serão aceitos. Os deputados previram a regularização automática dos CPFs sem cobrança bancárias.

Com informações do Senado e da Câmara.