Chanceler do Brasil surta e “denuncia” ameaça do “Comunavírus”

Publicado em 22 abril, 2020
Bolsonaro-Araújo

Bolsonaro-AraújoO ministro das Relações Exteriores do Brasil, Ernesto Araújo, está mais empenhado em combater a ameaça comunista do que em posicionar o País no cenário internacional em tempos de pandemia.

Pois ele está assustado e com medo de que o Coronavírus seja na verdade um “Comunavírus”, e que será usado para implantar o regime comunista em escala global.

Araújo chegou a essa estranha conclusão ao ler os textos do esloveno Slavoj Žižek. Vejamos o que o chanceler escreveu no Twitter:

“Não bastasse o Coronavírus, precisamos enfrentar também o Comunavírus. No meu blog, analiso o livro “Virus” de Slavoj Žižek e seu projeto de usar a pandemia para instaurar o comunismo, o mundo sem nações nem liberdade, um sistema feito p/ vigiar e punir.”

Percebe-se logo de cara que o ministro não sabe o que é uma ironia e muito menos uma alegoria.

LEIA TAMBÉM
Coronavírus “engole” shopping tradicional de Curitiba

Presidente da OAB diz que País está à deriva e admite a discussão do impeachment de Bolsonaro após a pandemia

Argentina não deve pagar hoje juros da dívida e se encaminha para o calote total

Leia dois trechos da “perigosa” filosofia de Žižek transcritos por Araújo:

“Tomara que se propague um vírus ideológico diferente e muito mais benéfico, e só temos a torcer para que ele nos infecte: um vírus que faça imaginar uma sociedade alternativa, uma sociedade que vá além do Estado-nação e se realize na forma da solidariedade global e da cooperação.”

“Uma coisa é certa: novos muros e outras quarentenas não resolverão o problema. O que funciona são a solidariedade e uma resposta coordenada em escala global, uma nova forma daquilo que em outro momento se chamava comunismo.”

Que perigo! (ironia, ministro, ironia…)