PSOL denuncia Bolsonaro, Mourão e Azevedo ao MPF por defesa do golpe de 64

Publicado em 1 abril, 2020

A bancada do PSOL na Câmara dos Deputados entrou com uma representação no Ministério Público Federal (MPF) nesta terça-feira (31) para que o presidente Jair Bolsonaro, seu vice Hamilton Mourão e o ministro da Defesa, Fernando Azevedo, sejam investigados por terem afrontado diretamente a Constituição Federal ao celebrarem e defenderem o golpe civil e militar de 1964 em suas redes sociais e em notas oficiais.

“Em plena crise do novo coronavírus, a alta cúpula do governo federal reafirma seu compromisso com o período autoritário. Não restam dúvidas de que os Representados não possuem qualquer apreço pela democracia do Estado Democrático de Direito. São comportamentos reiterados e permanentes de afronta à Constituição Federal”, afirma no documento a bancada do PSOL.

LEIA TAMBÉM:
1° de abril vira #BolsonaroDay em homenagem às mentiras do presidente

Ao vivo: Bolsonaro recuou na crise do coronavírus; e agora?

TRF-2 libera funcionamento de igrejas e lotéricas

Sobre o aniversário do golpe, Jair Bolsonaro afirmou que foi “o grande dia da liberdade”. Mourão tuitou que os militares “intervieram na política nacional para enfrentar a desordem, subversão e corrupção que abalavam as instituições e assustavam a população”. Já o ministro da Defesa, Fernando Azevedo, escreveu em um comunicado que o golpe foi “marco para a democracia”.

Além de terem solicitado que o MPF investigue Bolsonaro, Mourão e Azevedo, os deputados do PSOL pediram direito de resposta nas redes sociais dos três.

As informações são do PSOL.