Doria intima Bolsonaro a sair da bolha e visitar hospitais com pacientes de coronavírus

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), elevou o tom das críticas ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido) nesta quarta-feira (29) ao intimá-lo a sair da bolha e visitar os hospitais com pacientes de coronavírus.

Após quarenta dias de pandemia de coronavírus, o presidente da República deu suas voltinhas nas cidades satélites do Distrito Federal, foi à farmácia e padaria, mas até agora não visitou nenhum hospital de referência no tratamento da Covid-19.

“Convido o senhor, venha a São Paulo. Saia de Brasília e venha visitar o Hospital das Clínicas, os hospitais de campanha. Venha ver as pessoas agonizando nos leitos e a preocupação dos profissionais de saúde de São Paulo. E se não quiser visitar São Paulo, por medo ou qualquer outra razão, vá ver o colapso da saúde em Manaus. Veja a realidade do seu País”, disse o governador paulsita.

“Meus sentimentos aos familiares de 5.017 brasileiros que perderam a vida pelo coronavírus em todo o País. Quero dizer ao presidente, o mesmo presidente que ontem respondeu: ‘Quer que faça o que?’. Eu posso enumerar atitudes que o senhor deveria ter tomado e não adotou. É fazer aquilo que o senhor não fez”, afirmou o governador de São Paulo.

Doria continuou a tripudiar em cima de Bolsonaro:

“Primeiro, respeitar os brasileiros que o elegeram e os que não o elegeram. Respeitando pessoas, parentes, amigos de pessoas que perderam parentes para o coronavírus, que o senhor classificou como uma gripezinha, que não era grave. Que o senhor respeite o luto de pessoas que perderam entes queridos.” 

“Saia da sua bolha, do seu mundinho de ódio. Percorra hospitais e seja solidário com a realidade do seu País. E, por fim, o senhor que gosta de tratar tudo como números e acha que a vida é um número, eu como governador, mas como ser humano, não acho que vida é número. Nem meus filhos são tratados por número. Meus filhos são tratados por nome, com carinho e afeto. Trabalho para salvar vidas. A vida é sentimento e espero que o senhor possa resgatar o seu para ter um olhar de compaixão pelo seu País e pelos brasileiros”, disparou João Doria.

O governador de São Paulo lamentou que familiares não tenham podido acompanhar os sepultamentos e pediu que Bolsonaro respeite os profissionais de saúde durante a pandemia de coronavírus.

“Nenhum parente pôde acompanhar o sepultamento. Respeite médicos, enfermeiros e profissionais de saúde, que ao contrário do senhor, que vai praticar tiro em stand de tiro, essas pessoas estão protegendo pessoas. Pare com essa política da perversidade. Pare de fazer política em meio a um País que chora mortes e infectados. E agora, presidente? Diante de mais de 5 mil mortos, o senhor continua afirmando que é uma gripezinha?”, criticou.

Brasil tem 5.466 mortes e 78.163 casos confirmados de Coronavírus nesta quarta, 29 de abril.

LEIA TAMBÉM
Embaixada da China desmente 12 boatos sobre o Coronavírus

URGENTE: Bolsonaro nomeia Ramagem novamente para a Abin

Bolsonaro leva parlamentares e assessores para aglomero em coletiva; assista

#Edaí? Redes sociais e velha mídia reagem ao descaso de Bolsonaro com mortes

Bolsonaro mostrou o nível da sua falta de empatia e irresponsabilidade quando questionado sobre o Brasil ultrapassar a China na quantidade de mortos por coronavírus.

‘E daí? Lamento. Quer que eu faça o quê? Eu sou Messias, mas não faço milagre”’, disse ríspido nesta terça-feira (28). Assista:

https://youtu.be/-ezJmEEuGNY

O número de mortes confirmadas pelo coronavírus ultrapassou a marca dos 5 mil, chegando a 5.017. Na China, são 4.643. O Brasil registrou nas últimas 24 horas mais mortes que Itália, França e Espanha.

Para o leitor ter uma noção da proporção de mortes no Brasil, que tem 210 milhões de habitantes, a China é um país sete vezes mais populoso. Tem 1,5 bilhão de pessoas. Foi o epicentro da doença.

Uma série de memes circulam nas redes sociais extravasando a indignação dos internautas.

No Twitter a hashtag #Edaí? está entre as 10 mais comentadas do país.