Bolsonaro descumpre ordem judicial e não apresenta resultado de exame para Covid-19

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) não cumpriu a ordem judicial de apresentar o resultado do exame para Covid-19, nesta quinta (30), o que aumentou nas redes sociais os rumores de que ele testou positivo para a doença.

Na segunda-feira (27), o Estadão garantiu o direito de obter os testes de covid-19 feitos pelo presidente Jair Bolsonaro. Por decisão da juíza Ana Lúcia Petri Betto, a União teve um prazo de 48 horas para fornecer “os laudos de todos os exames” feitos pelo presidente da República.

“Repise-se que ‘todo poder emana do povo'(art. 1º, parágrafo único, da CF/88), de modo que os mandantes do poder têm o direito de serem informados quanto ao real estado de saúde do representante eleito”, decidiu a magistrada.

Porém, na manhã desta quinta, em frente ao Palácio do Alvorada, Bolsonaro afirmou que iria recorrer da decisão porque estava se sentindo violentado pela invasão de privacidade.

“A AGU (Advocacia-Geral da União) deve ter recorrido. E, se nós perdermos o recurso, daí vai ser apresentado. E vou me sentir violentado. A lei vale para o presidente e mais humilde cidadão brasileiro”, disse.

A falta de transparência de Bolsonaro fez surgir nesta tarde a hashtag #QueroVerOsExames no Twitter.

“Bolsonaro admitiu que usou nome codificado pra fazer o teste de Coronavírus. O único teste feito na data, e com nome codificado é de Brilhante Ustra, que por sinal, é ídolo do energumeno, e deu positivo. Se confirmar, a casa cai…”, diz um perfil na rede social.

Por outro lado, o Estadão informou que pediu hoje à Justiça Federal de São Paulo uma apuração de descumprimento de ordem judicial, após a Advocacia-Geral da União (AGU) não encaminhar os “laudos de todos os exames” do novo coronavírus feitos pelo presidente Jair Bolsonaro.

LEIA TAMBÉM
Bolsonaro faz teste para coronavírus pela 3ª vez e ganhou música; confira o vídeo

Maioria quer o adiamento das eleições municipais de 2020, diz pesquisa

Bolsonaro reduz imposto de bancos, enquanto fala em congelar salários de servidores públicos

Desemprego cresce no mês de março, antes do agravamento da Covid-19

Bolsonaro afirma que não irá renovar a concessão da Rede Globo em 2022; assista

A existência da Rede Globo pode ter entrado em contagem regressiva, se o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) levar a cabo a ameaça de não renovar a concessão para o funcionamento da emissora, em 2022.

“Globo lixo. Lixo, não, que dá para reciclar. Se não tiver com a contabilidade certinha, em 2022, não terá a concessão renovada”, ameaçou o presidente. “Não vou dar dinheiro a vocês, Globo. Não tem dinheiro para vocês”, completou.

Bolsonaro estava particularmente irritado com a decisão do ministro do STF Alexandre de Moraes.

Moraes barrou monocraticamente a nomeação do diretor-geral da Polícia Federal, Alexandre Ramagem, alegando que o delegado é amigo da família Bolsonaro.

Na decisão liminar do STF, Moraes sustentou que a relação entre os dois [Bolsonaro e Ramagem] é um dos argumentos no veto à nomeação, pois, segundo entendimento parcial, estaria em desacordo com o princípio da impessoalidade, fundamental ao serviço público.

Ramagem foi chefe de segurança pessoal de Bolsonaro na campanha de 2018, depois de o então candidato sofrer o atentado a facada em Juiz de Fora (MG).

“Conheci ele um dia depois do segundo turno [da eleição em 2018] porque a PF resolveu trocar alguns de seus delegados, achava que eu, como presidente eleito, deveria ter um cuidado mais especial do que vinha tendo”, disse o presidente.

“Como é que o senhor Alexandre de Moraes foi para o Supremo? Amizade com o senhor Michel Temer. Ou não foi?”, contra-atacou Bolsonaro, na manhã de hoje, pouco antes de viajar a Porto Alegre, onde cumprirá agenda oficial. Para o presidente, a amizade entre os agentes pública “não justifica a questão da impessoalidade”.