Desemprego cresce no mês de março, antes do agravamento da Covid-19

O número de desempregados cresceu e atingiu 13,1 milhões de brasileiros no trimestre encerrado em fevereiro deste ano. Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad-Contínua) divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) na manhã desta sexta-feira (29), demonstrando o fracasso da política econômica de Bolsonaro e Paulo Guedes, agravada agora com o avanço do coronavírus.

A taxa de desocupação ficou em 12,4%, enquanto era de 11,6% no trimestre anterior, que contempla os meses de setembro a novembro de 2018. Na época, o Brasil tinha 12,2 milhões de desempregados.

A taxa de subutilização atingiu o pior indicador da série histórica, medida desde 2012, com 27,9 milhões de brasileiros nesta situação (24,6%). Houve crescimento de mais de 901 mil pessoas nesta situação em relação ao trimestre anterior.

O número de pessoas ocupadas caiu 1,1% no trimestre, com a saída de 1,062 milhões do mercado de trabalho. Hoje o país tem 92,1 milhões ocupados.

LEIA TAMBÉM:

Lula ao vivo no UOL; assista

Fux encaminha notícia-crime contra Bolsonaro à PGR

Coronavírus: Conselho Nacional de Saúde diz que ações de Bolsonaro são genocidas

O número de empregados sem carteira assinada caiu – 4,8% no trimestre encerrado em fevereiro em comparação com o anterior, com 561 mil pessoas no mercado — ainda existem 11,1 milhões nesta situação.

Já a quantidade de brasileiros por conta própria ficou estável, com 23,8 milhões de brasileiros.

O número de empregados no setor privado com carteira de trabalho assinada (exclusive trabalhadores domésticos) foi de 33,0 milhões de pessoas, ficando estável em ambas as comparações.