Juízes são contra proposta do governo para reduzir salários de trabalhadores

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e o ministro da Economia, Paulo Guedes, já encontram resistência nos juízes acerca da redução da jornada e do salário dos trabalhadores.

O governo pretende flexibilizar salário e jornada por meio de medida provisória, porém a Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra) afirma que essas medidas são nocivas ao trabalhador e inconstitucionais.

“Qualquer medida que tenha como norte, neste momento, a redução de salários é precipitada e potencialmente nociva ao trabalhador. Alternativas válidas, considerando a Constituição, podem passar por ideias como a flexibilização de banco de horas para permitir a reposição daqueles não trabalhados por um período especial”, afirma, em nota, a juíza Noemia Porto, presidente da Anamatra.

LEIA TAMBÉM
Coronavírus vira pretexto para empresas cortarem jornadas e salários pela metade

Projeto de deputados petistas cria proteção para microempreendedores individuais

64% reprovam plano de Bolsonaro contra o coronavírus, diz pesquisa

“É viável, ainda, a alternativa de férias coletivas. Em ambas, ou qualquer outra, é fundamental que as entidades coletivas, os sindicatos, sejam chamados para as mediações necessárias. São algumas das medidas viáveis, sem infringir a Constituição”, completou Noemia.

A juíza afirma ainda que simplesmente autorizar negociação individual para diminuir jornada e salário irá trazer insegurança jurídica. É contra redução de salário por medida provisória.

“A situação é grave, porém ainda mais dramática para os mais vulneráveis”, disse a presidente da Anamatra.

Com informações da Veja