Presidente Bolsonaro jura que Adriano era herói quando foi homenageado por Flávio Bolsonaro

Compartilhe agora

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido), em entrevista neste sábado (15), no Rio de Janeiro, afirmou que o miliciano Adriano da Nóbrega era um “herói” no ano em que foi homenageado por Flávio Bolsonaro. Adriano recebeu a Medalha Tiradentes em 2005.

“Não tem nenhuma sentença transitada em julgado condenando capitão Adriano por nada, sem querer defendê-lo. Naquele ano ele era um herói da Polícia Militar”, disse Bolsonaro.

Quando foi homenageado, o miliciano estava detido. Adriano da Nóbrega foi morto há uma semana na Bahia e era suspeito de assassinar a vereadora Marielle Franco. Além disso, indícios apontam fortes relações entre o miliciano e a família Bolsonaro.

As declarações de Bolsonaro foram dadas hoje durante durante a coletiva com jornalistas. O presidente cumpriu agenda no Rio de Janeiro, onde participou da inauguração da alça de ligação da da ponte Rio-Niterói à Linha Vermelha.

LEIA TAMBÉM
VEJA reacende ‘queima de arquivo’ na morte de Adriano da Nóbrega

Polícia Civil do Rio abre investigação sobre a morte de Adriano da Nóbrega

Glenn Greenwald: execução de Adriano causou dilema nos Bolsonaro

A morte do miliciano Adriano e as incríveis coincidências do clã Bolsonaro, por Jeferson Miola

O que disse o presidente Jair Bolsonaro sobre o caso Adriano:

  • “Não tem nenhuma sentença transitada em julgado condenando capitão Adriano por nada, sem querer defendê-lo”
  • “Naquele ano [2005] ele era um herói da Polícia Militar”
  • “Como qualquer Policial Militar em operação mata vagabundo, mata traficante e a imprensa em grande parte vai em defesa do marginal e condena o policial”
  • “Eu é que pedi para o meu filho condecorar para que não haja dúvida”
  • “Ele era um herói. O meu filho, recém-eleito, eu que determinei, pode trazer para cima de mim isso aí”
  • “O meu filho condecorou centenas de policiais”

Ex-capitão do BOPE, Adriano era investigado por chefiar um grupo de milicianos chamado de Escritório do Crime.

O ex-PM foi morto em ação conjunta da Secretaria de Segurança Pública da Bahia e do núcleo de inteligência da Polícia Civil do Rio, no último dia 9 de fevereiro.