Weintraub balança no cargo após aceitar corrigir prova do Enem de filha de bolsonarista

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, voltou a balançar no cargo neste domingo (26) após atender pelo Twitter pedido para revisar prova do Enem da filha de um apoiador do presidente Jair Bolsonaro.

Não que haja pecado em corrigir erros quando identificados, pelo contrário. Mas mostra como o ministro lida com uma questão séria como a Educação.

A prova do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) deveria ser impessoal, portanto o resultado do certame jamais necessitaria ser objeto de “benevolência” do titular do MEC ou do próprio presidente da República. É função do Estado prestar serviços essenciais com eficiência.

“Ministro, minha filha tem certeza que a prova do Enem dela não teve a correção adequada e que ela foi prejudicada. E agora? A inês é morta? O Sisu [Sistema de Seleção Unificada] termina amanhã”, escreveu um bolsonarista, reclamando do erro na nota da filha no Enem.

O diabo é que nem todo cidadão tem um atendimento “exclusivo” como o autor do tuíte ao ministro e o MEC está longe de solucionar os erros e falhas iniciados com o resultado do Enem, no último dia 17, que contaminou também o Sisu (Sistema de Seleção unificado), plataforma que possibilita o ingresso de estudantes nas universidades públicas, bem como determina o financiamento em instituições superiores privadas.

As falhas na correção das provas do Enem atingem milhões de examinandos, portanto, não é atendendo a filha de um bolsonarista que essa incompetência do MEC irá desaparecer.

O ministro Weintraub tem a obrigação de solucionar o problema da filha do bolsonarista, mas também dos demais milhões de filhos e filhas das Marias, dos Joãos, das Aparecidas, dos Josés, das Renatas, dos Pedros, das Fátimas, enfim, dos prejudicados com os erros na correção das provas do Enem.

“Já está sendo analisada. Abraço”, respondeu o ministro da Educação ao pedido do pai. No entanto, ainda não conseguiu responder aos milhões estudantes que igualmente aguardam uma solução para a lambança no Enem/Sisu.

LEIA TAMBÉM
Globo, aderida ao bolsonarismo, vive dilema entre Regina Duarte e Sérgio Moro

Demissionário, Moro tenta ganhar mais tempo no governo Bolsonaro

Revisionismo vence no PCdoB, que começa a esconder foice e martelo