Bomba! Deltan Dallagnol captava recursos de empresários para instituto

Compartilhe agora!

O procurador Deltan Dallagnol se reuniu a portas fechadas com empresários, dentro do Ministério Público Federal, com a finalidade de captar recursos para um instituto que supostamente combate a corrupção. A revelação é da Agência Pública, nova parceira do site Intercept.

Segundo a Pública, uma empresária que foi “investidora anjo” da organização: a advogada Patrícia Tendrich Pires Coelho seria depois investigada pela Lava Jato, mas não foi denunciada pela operação.

A reportagem afirma que Deltan sabia que a empresa de Patrícia, a Asgaard Navegação S. A., fornecia navios para a Petrobras e tinha conhecimento de sua proximidade com o empresário Eike Batista e com o banqueiro André Esteves, fundador do BTG Pactual.

LEIA TAMBÉM
Glenn Greenwald, do Intercept, promete nova bomba no Roda Viva

Bolsonaro diz que vetará 9 pontos do projeto de abuso de autoridade

Datafolha mostrou Bolsonaro foi abandonado por eleitores, diz cientista político

Tanto Esteves quanto Eike eram alvos da força-tarefa coordenada por Deltan Dallagnol, entretanto, ressalta a Pública, o procurador não só aceitou a sua ajuda financeira como fez a ponte da empresária com os membros oficiais do instituto e se reuniu com ela para tratar da doação.

O Instituto Mude – Chega de Corrupção — foi criado para promover, além da própria operação, as dez medidas de combate à corrupção e suas opiniões políticas. A ONG funcionava com endereço na igreja que Deltan frequenta em Curitiba.

Compartilhe agora!