Intercept/Folha: Dallagnol investigou e tentou encurralar Toffoli

Compartilhe agora!

Novos diálogos revelados pelo Intercept em parceria com a Folha de São Paulo mostram que o procurador Deltan Dallagnol pediu que colegas investigassem possíveis indícios de corrupção por parte do presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli.

As mensagens são do ano de 2016, quando Toffoli ainda não presidia o STF, mas era visto como um possível “inimigo” da força-tarefa lava jato.

Segundo a Constituição Federal, aquela que presentearam a Dallagnol e ele costuma ignorar, somente a procuradoria-geral da República pode investigar os ministros do Supremo Tribunal Federal.

LEIA TAMBÉM
Polícia Militar do Rio teria monitorado Glenn Greenwald em evento na ABI

Deltan Dallagnol foge de depoimento no Congresso Nacional

As mensagens mostram que Dallagnol desprezou os limites da lei ao estimular uma ofensiva contra Toffoli. Também sugerem que ele recorreu à Receita Federal para levantar informações sobre o escritório de advocacia da mulher do ministro, Roberta Rangel.

Leia um trecho do diálogo de 28 de julho de 2016 com um ex-assessor da PGR:

Dallagnol – 22:09:59 – Pelella, queria refletir em dados de inteligência para eventualmente alimentar Vcs. Sei que o competente é o PGR rs, mas talvez possa contribuir com Vcs com alguma informação, acessando umas fontes. Vc conseguiria por favor descobrir o endereço do apto do Toffoli que foi reformado?
Pellela – 23:16:05 – Foi casa
Pellela – 23:16:09 – Consigo sim

Em agosto de 2016, a revista Veja publicou uma reportagem de capa sobre a reforma na casa de Toffoli, apontando a delação de Léo Pinheiro como fonte das informações.

Embora os advogados da OAS tivessem mencionado o caso aos procuradores, eles ainda não tinham apresentado nenhum relato por escrito sobre o assunto.

Será que Dallagnol também foi a fonte da Veja?

As informações são do Intercept Brasil e Folha de São Paulo. 

Compartilhe agora!