PF diz ao STF que Glenn Greenwald não é investigado

Publicado em 24 julho, 2019

O diretor-geral da Polícia Federal (PF), Maurício Leite Valeixo, informou ao Supremo Tribunal Federal (STF), nesta terça-feira, 23, que não há investigação em curso contra o jornalista Glenn Greenwald, fundador do site The Intercept Brasil.

“Foram consultadas as áreas técnicas deste órgão policial, a saber, a Corregedoria-Geral da Polícia Federal, a Diretoria de Investigação e Combate ao Crime Organizado, a Diretoria de Inteligência Policial e a Superintendência Regional da Polícia Federal no Paraná, restando evidenciado que não há inquérito policial instaurado com o objetivo de apurar a conduta do jornalista Glenn Greenwald”, diz Valeixo.

LEIA TAMBÉM:
Oposição questiona prisão de supostos hackers pela PF

A manifestação do diretor-geral da PF ocorreu no mesmo dia em que a corporação deflagrou uma operação para prender supostos hackers acusados de terem invadido os celulares do ex-juiz e atual ministro da Justiça, Sérgio Moro, e do procurador federal Deltan Dallgnol.

No último dia 15, o presidente do STF, ministro Dias Toffoli deu prazo de cinco dias para que a PF informasse se havia inquérito contra Greenwald. O despacho de Toffoli se deu na Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) movida pela Rede Sustentabilidade para suspender supostas investigações contra Greenwald, noticiadas pela imprensa. A ação tem como relator o ministro Gilmar Mendes.

Na ADPF, a Rede sustenta que reportagens noticiaram que a PF pediu ao Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) informações sobre movimentações financeiras de Greenwald, em uma apuração da suposta ligação do jornalista com os vazamentos.

Desde 9 de junho, o site The Intercept Brasil, em parceria com outros veículos de imprensa, vem publicando reportagens sobre mensagens trocadas entre o então juiz Sérgio Moro e procuradores do Ministério Público Federal que revelam uma série de ilegalidades cometidas na condução dos processos relacionados à Lava Jato.

Com informações da Veja