Glenn Greenwald promete contar tudo que sabe sobre Moro; sai de baixo

Compartilhe agora!

O jornalista Glenn Greenwald, fundador do site The Intercept Brasil, disse ao espanhol EL PAÍS que vai contar tudo o que sabe sobre o ex-juiz Sérgio Moro e os membros da força-tarefa Lava Jato.

“Moro sabe que eu sei tudo que ele disse e fez. E sabe que vamos contar tudo”, promete o jornalista que liderou a equipe que revelou o escândalo que sacode o Brasil e pôs contra a parede o ministro da Justiça que, antes de assumir o cargo a convite do presidente Jair Bolsonaro (PSL), condenou o ex-presidente Lula à prisão.

EL PAÍS recorda que Moro pendurou a toga para ser ministro da Justiça no governo Bolsonaro e anunciou recentemente que tiraria cinco dias de licença sem salário a partir desta segunda-feira para resolver “assuntos particulares”. Provavelmente ele viajou ao Canadá, conforme revelou o Blog do Esmael com exclusividade na semana passada.

Com aprovação de 52%, segundo o Datafolha, é Moro quem dá credibilidade e legitimidade ao governo de Bolsonaro cujo índice de aprovação é de apenas 32%.

LEIA TAMBÉM
Prisão de Lula sustentou enriquecimento de Deltan, diz Brasil 247

Na entrevista ao EL PAÍS, Greenwald fala sobre a parceira com o maior jornal do País, a Folha, e a maior revista semanal, a Veja, bem como do crime cometido por Moro ao colaborar com uma das partes durante o processo criminal. “É proibido explicitamente o que ele diz que é comum e tradicional: basicamente, juízes colaborando com uma das partes”, ressaltou o fundador do Intercept.

De fato o Código de Processo Penal (CPP), no art. 254, determina suspeição do juiz nas mensagens reveladas pelo Intercept, Folha e Veja. Na prática, os atos e a sentença de Moro –inclusive a que condenou o ex-presidente Lula– são passíveis de nulidade absoluta. A qualquer tempo as decisões do ex-juiz podem ser revistas, inclusive de ofício, pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Glenn Greenwald vê perigo de repressão no governo Bolsonaro, mas, ao EL PAÍS, o jornalista reafirmou a decisão de revelar tudo –tudo mesmo– que sabe obre a Lava Jato e o ministro Sérgio Moro.

“No jornalismo, você sempre corre riscos. E, se enfrenta alguém no poder, podem castigar você ou se vingar. Mas nós decidimos que valia a pena assumir o risco. Acredito que este Governo é repressor e autoritário, e acredito que Moro demonstrou que está disposto a violar todas as leis. Mas o que os torna perigosos é que agora eles se sentem desesperados. Moro sabe que eu sei tudo o que ele disse e fez. E que vamos contar tudo”, disse.

Nos últimos dias falou-se em 2 mil áudios à disposição do Intercept, centenas de vídeos, outros tantos textos que formam o arquivo de mais de 1 milhão de mensagens envolvendo diretamente os integrantes da Lava Jato e o ex-juiz Moro.

Ganhador do Prêmio Pulitzer em 2014, que obteve com o caso Snowden, Greenwald o diferencia do caso Vaza Jato ora em curso no Brasil:

“Uma das diferenças entre as reportagens sobre a NSA e sobre Moro é que grande parte do ódio que a primeira gerou foi dirigida a Snowden. Eu era simplesmente o jornalista. Agora a fonte é invisível, e eu sou o rosto da história”, registra o EL PAÍS.

Compartilhe agora!