gilmar mendes lava jato partido politico

Gilmar Mendes: Moro e Dallagnol anularam a condenação de Lula

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), criticou o ex-juiz e atual ministro da Justiça, Sérgio Moro, e o procurador da República Deltan Dallagnol pelos diálogos revelados pelo site The Intercept Brasil.

Para Mendes, as mensagens divulgadas no domingo (9) mostram que “o chefe da Lava-Jato não era ninguém mais, ninguém menos do que Moro. O Dallagnol, está provado, é um bobinho. É um bobinho. Quem operava a Lava-Jato era o Moro”, disse Mendes, em entrevista à revista ÉPOCA.

LEIA TAMBÉM:
Bolsonaro não tem votos para a reforma da previdência

O ministro identifica implicações diretas das revelações para o desenrolar da operação: “Eu acho, por exemplo, que, na condenação do Lula, eles anularam a condenação”, analisou Mendes, referindo-se aos trechos das conversas que sugerem uma colaboração entre Moro e Dallagnol.

Mendes viu até a prática de um crime nas conversas vazadas. “Um diz que, para levar uma pessoa para depor, eles iriam simular uma denúncia anônima. Aí o Moro diz: ‘Formaliza isso’. Isso é crime”, avaliou Mendes, referindo-se a um trecho das mensagens em que Dallagnol escreveu que faria uma intimação oficial com base em notícia apócrifa, diante da negativa de uma fonte do MPF de falar. E Moro respondeu que seria “melhor formalizar”.

“Simular uma denúncia não é só uma falta ética, isso é crime.” Mendes ressalta não ser contra o combate à corrupção, mas sim contra o que ele chamou de “modelo de Curitiba”.