Por Esmael Morais

Bolsonaro agrava perigo à liberdade de imprensa

Publicado em 19/04/2019

Líderes partidários no Congresso Nacional, à luz da censura aos sites O Antagonista e Crusoé, avaliam que a ascensão de Jair Bolsonaro (PSL) à Presidência da República agravou o perigo à liberdade de imprensa no País.

De acordo com a coluna Painel, na Folha, um dos dirigentes de partido centro-esquerda vê a redução do papel no presidente da República para balizar simbolicamente o ordenamento político e jurídico do Brasil.

LEIA TAMBÉM
Globo censura Lula no dia que cai censura a entrevistas

“Desde o início do segundo mandato de Dilma Rousseff, ele avalia, esse sistema está desbalanceado. Para o dirigente, a divisão política do país e a ascensão de Jair Bolsonaro agravaram o cenário. O Supremo, empurrado para o meio do ringue, sofre agora as fortes consequências”, anota o jornalão paulistano.

Ato contínuo, é bom lembrar, o próprio ex-presidente Lula ficou censurado sete meses, qual seja, desde setembro de 2018. Coube ao presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, levantar a proibição inconstitucional a entrevistas do ex-presidente.

Note o caríssimo leitor que o risco à liberdade de expressão começou ainda no governo Michel Temer (MDB) e agravou-se nesses três meses de Bolsonaro. Uma lástima, portanto.

Segundo a organização francesa Repórteres Sem Fronteira, o Brasil caiu três colocações no Ranking Mundial da Liberdade de Imprensa divulgado nesta quinta-feira (18). Estamos agora na posição 105.