Grupo Havan abre “embaixada” em Brasília; Daciolo diz que é coisa do demônio

O Grupo Havan inaugurou neste sábado (3) em Brasília uma nova loja para marcar o início do governo de Jair Bolsonaro (PSL), mas aquela da cafonérrima ‘Estátua da Liberdade’, símbolo da empresa, não pôde ser instalada no Distrito Federal.

LEIA TAMBÉM
AGORA VAI! Daciolo promete banir estátuas da Havan; assista

O dono da Havan, Luciano Hang, um controverso empresário que coleciona processos e condenações na Justiça, inaugurou a “embaixada” no Distrito Federal com clima de comício político. Além de polêmico, anticomunista, ele adora a bandeira dos Estados Unidos e outros ícones norte-americanos em detrimento da cultura brasileira.

De acordo o jornal Folha de S. Paulo, Hang esteve à frente no segundo turno de um consórcio de empresários que pagaram disparos de fake news, via WhatsApp, contra o candidato do PT Fernando Haddad. A questão foi parar no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que examinará pedido de inelegibilidade de Bolsonaro pelo uso de caixa 2.

Sobre a ‘Estátua da Liberdade’

Entretanto, os brasilienses foram poupados da estátua jacu porque a Administração do Setor de Indústrias e Abastecimento e o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) impediram a instalação do objeto que, somada à estrutura do empreendimento, chega a medir cerca de 35 metros de altura.

O impedimento se deve a um decreto distrital que limita em 12 metros as peças publicitárias. A norma é em respeito ao Plano Diretor de Publicidade, que orienta a instalação de meios de propaganda no SIA e em outras regiões administrativas do Distrito Federal. O grupo Havan está recorrendo da proibição.

Em setembro passado, o então presidenciável Cabo Daciolo (Patriota-RJ) prometeu combater a ‘Estátua da Liberdade’ porque, segundo ele, mais do que símbolo dos EUA, seria a representação do demônio neoliberal.

Comentários encerrados.