Por Esmael Morais

Dono da rede Condor também tenta direcionar o voto dos funcionários

Publicado em 02/10/2018

O dono da rede de supermercados Condor, Pedro Zonta, divulgou uma carta aos seus colaboradores “pedindo” que votem em Jair Bolsonaro (PSL).

A mensagem é um pouco menos ameaçadora do que o vídeo publicado pelo empresário Luciano Hang, dono das lojas Havan. Zonta até se compromete a não não cortar o 13º salário e férias de seus funcionários.

Mas o que ele fala da esquerda, é de por medo no capeta.

LEIA TAMBÉM: Vice de Bolsonaro propõe fim do 13° salário e do adicional de férias

Dono da Havan ameaça demitir funcionários que não votarem em Bolsonaro

Esse tipo de direcionamento de votos é ilegal. O Ministério Público do Trabalho (MPT) divulgou uma nota pública alertando as empresas e a sociedade de que é proibida a imposição, coação ou direcionamento nas escolhas políticas dos empregados.

E é evidente que os donos das empresas querem que se eleja alguém que os ajude a lucrar mais. Isso implica em baixos salários e menos direitos trabalhistas.

Veja a cópia da carta de Zonta: