CUT pede anulação do impeachment

vagner_freitasO presidente nacional da CUT, Vagner Freitas, disse que o afastamento do deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) do seu mandato, decidido pelo ministro Teori Zavascki nesta quinta-feira (5), deslegitima a votação conduzida pelo peemedebista na Câmara dos Deputados que culminou na admissibilidade do processo de impeachment da presidenta Dilma Rousseff (PT).

“Já que foi conduzida por um ‘deliquente’, e não sou eu quem chama o Cunha assim, foi o Janot, a votação do dia 17 de abril tem que ser anulada. Fica evidente que o Cunha só queria jogar uma cortina de fumaça sobre as acusações contra ele”, afirmou Vagner Freitas.

Ainda sobre o afastamento de Cunha, o presidente da CUT espera que o processo seja levado adiante, “Que ele não seja apenas afastado, tem que ser cassado. Aliás, precisa ser julgado e condenado pelos crimes que cometeu. O mandato dele é uma afronta aos interesses da classe trabalhadora.”

Nesta quinta-feira (5), o STF decidirá o futuro político de Cunha. Uma ação da Rede pede ao tribunal que afaste o peemedebista da presidência da Casa. Vagner aponta que o afastamento é necessário. “A gestão dele é horrorosa. Além das contas na Suíça e das denúncias de corrupção, ele transformou a Câmara dos Deputados em um enorme balcão de negócios.”

Governo pedirá anulação da votação

“Nós já estamos pedindo e vou pedir. A decisão do Supremo mostra clarissimamente. Indiscutível. Eduardo Cunha agia em desvio de poder”. A afirmação é do advogado-geral da União, o ministro José Eduardo Cardozo, que confirmou que o governo pedirá a anulação do processo de impeachment contra a presidenta.

Segundo Cardozo, a decisão do STF “evidencia aquilo tudo que estamos afirmando há muito tempo”. Para o advogado-geral, não há dúvidas sobre a influência de Cunha na condução do processo de impeachment na Câmara.

“Não fosse o presidente Eduardo Cunha agindo desta forma, que levou ao seu afastamento hoje, esse processo não teria sido instaurado. Foi uma vingança. E isto qualifica o desvio de poder de Eduardo Cunha, hoje atestado por uma decisão judicial”, encerra Cardozo.

As informações são do portal da CUT.

2 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. 1 – Cunha NÃO inventou a corrupção
    2 – O mandato de CUNHA foi deferido pela população carioca, casso-lo seria uma grave afronta a nossa ”jovem” democracia.
    3 – A câmara federal é corrupta sendo assim não tem autonomia para cassar um mandato conquistado democraticamente.
    4 – NÃO AO GOLPE CONTRA CUNHA.

    (KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK esse discursinho parece conhecido?)

  2. Se Cunha tivesse saído antes, quem garante ou tem a certeza absoluta que o Dep. Valdir Maranhão não iria dar andamento ao processo? Ah, ele é aliado do Planalto?
    Foi o plenário da Câmara que decidiu respaldado pelos ministros do STF.
    Tá na hora de parar com a choradeira.