Requião: “Se petróleo for entregue às multinacionais, acabará de vez o governo Dilma”

requiao_petrobras

Roberto Requião: “A Petrobras e suas operações do pré-sal são de extrema importância para a retomada do desenvolvimento e para combater o desemprego. A Petrobras é a espinha dorsal do desenvolvimento industrial brasileiro. A questão do petróleo não é essa brincadeira fútil de que o Brasil está parado ou não está parado.”

O senador Roberto Requião (PMDB-PR), da bancada desenvolvimentista, ao Blog do Esmael, fez uma previsão sombria caso o plenário aprove, na tarde desta quarta-feira (24), o projeto que revoga a participação obrigatória da Petrobras na exploração do petróleo da camada do pré-sal. Segundo o parlamentar, se o petróleo for entregue às multinacionais, acabará de vez o governo da presidente Dilma Rousseff (PT).

“Se petróleo for entregue às multinacionais, acabará de vez o governo Dilma”, prevê.

Requião e o grupo de desenvolvimentistas no Senado, dentre os quais também se destacam os senadores Lindbergh Farias (PT-RJ) e Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM), não descartam com a possibilidade de romper com o governo Dilma, se o projeto 131/15, de autoria do senador José Serra (PSDB-SP), for aprovado na sessão que começa hoje às 14 horas.

O senador paranaense acusa os suplentes dos senadores licenciados para o ministério da presidente Dilma de votarem com o tucano José Serra. Ontem (23) à noite, os senadores derrubaram, por 33 votos a 31, requerimento que pedia a retirada da urgência para a votação da matéria.

“Se os suplentes de senadores que estão nos ministérios não tivessem apoiado o projeto entreguista do petróleo teríamos enterrado essa barbaridade”, lamenta o senador do PMDB.

Para Roberto Requião (PMDB-PR), sem o pré-sal a Petrobras irá à falência.

“A Petrobras e suas operações do pré-sal são de extrema importância para a retomada do desenvolvimento e para combater o desemprego. A Petrobras é a espinha dorsal do desenvolvimento industrial brasileiro. A questão do petróleo não é essa brincadeira fútil de que o Brasil está parado ou não está parado”, disse.

Na manhã desta quarta, o senador Lindbergh Farias agendou uma reunião de emergência com o ministro-chefe da Casa Civil, Jacques Wagner, com o intuito de lançar uma ofensiva nesta tarde em defesa do petróleo brasileiro.

Com informações da Agência Senado.

Comentários encerrados.