“Eleições na Venezuela são eficientes e democráticas”, diz embaixador brasileiro Samuel Pinheiro

Sondagens de vários institutos de pesquisas são contraditórias entre si, mas mostram avanço dos chavistas na reta final; do total de 167 deputados, 113 serão eleitos pelo voto nominal e 51 por listas fechadas dos partidos; tendência é que o governo Nicolás Maduro conquiste a maioria das cadeiras na Assembleia Nacional, ou seja, mantenha a hegemonia no parlamento.

Sondagens de vários institutos de pesquisas são contraditórias entre si, mas mostram avanço dos chavistas na reta final; do total de 167 deputados, 113 serão eleitos pelo voto nominal e 51 por listas fechadas dos partidos; tendência é que o governo Nicolás Maduro conquiste a maioria das cadeiras na Assembleia Nacional, ou seja, mantenha a hegemonia no parlamento.

O embaixador brasileiro Samuel Pinheiro, em entrevista à Telesur, neste domingo (6), afirmou que as eleições parlamentares na Venezuela estão acontecendo sob os signos da organização e eficiência.

Nas eleições de hoje, cerca de 19 milhões de venezuelanos vão às urnas para eleger 167 deputados à Assembleia Nacional. O voto ocorre em urnas eletrônicas, mas que imprimem o voto.

“É um processo democrático, diferente do que diz a imprensa mundial”, declarou Samuel Pinheiro, que está no país caribenho para acompanhar o processo eleitoral.

O senador Roberto Requião (PMDB-PR) também está na Venezuela acompanhando as eleições parlamentares deste domingo. Na tarde de ontem (5), o parlamentar brasileiro, juntamente com o embaixador Pinheiro, realizaram várias inserções ao vivo pela TV 15 com transmissão pelo Blog do Esmael.

A tendência é que o governo Nicolás Maduro conquiste a maioria das cadeiras na Assembleia Nacional, ou seja, mantenha a hegemonia no parlamento.

Sondagens de vários institutos de pesquisas são contraditórias entre si, mas mostram avanço dos chavistas na reta final.

Sobre as eleições parlamentares da Venezuela:

Estão em disputa 167 cadeiras na Assembleia Nacional. O eleitor escolhe um candidato em lista fechada do partido e outro nominal, de determinado distrito eleitoral.

São 87 circunscrições no país, o que, segundo a oposição, favorece os chavistas.

Do total, 113 serão eleitos pelo voto nominal e 51 por listas fechadas dos partidos.

5 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. Gessé Lopes: Simples, direto e verdadeiro. Pena que as suas palavras trombem nas muralhas de cera de ouviddos de moucos, não sejam lidas nem compreendidas por analfabetos funcionais, nem aceitas pelos mortadeleiros.

  2. Essa noticia e verdadeira mesmo eu concordo! A Venezuela, Cuba, Irã, Siria, Bolivia, Equador, ISIS e algumas ditaduras da Africa, estão criando uma nova Democracia onde todo mundo é feliz e quem não for é preso ou morto. Acho que isso é uma verdadeira politica e fazer frente a esses Imperialistas americanos, alemães, japoneses que tem a melhor qualidade de vida no mundo e ainda todos podem se expressar, comprar e comer o que quiserem são uns imperialistas.

  3. A palavra do embaixador Samuel, chavista, contra a Imprensa mundial.
    O pau torando aqui no Brasil, brasileiros todos apreensivos com o quadro regressivo da economia nacional, e o senador também chavista, flautando em Caracas, por conta de um tal de Unasur.

  4. Se as urnas forem iguais as brasileiras, o maduro ta garantido

  5. E as imensas filas para a compra nos supermercados e
    farmácias desabastecidos?
    Tudo montagem da oposição contra Maduro?
    Requião que me desculpe, mas o processo eleitoral na
    Venezuela é muito suspeito, e a imprensa internacional
    não é bem vinda por lá.