Beto Richa expõe projeto de acabar com a carreira do magistério ao fechar escolas no Paraná

Publicado em 23 outubro, 2015
Compartilhe agora!

fechaescolas

Continuam chegando ao Blog do Esmael denúncias sobre fechamentos ou junções de escolas por todo o Estado. Essas denúncias vêm desde o começo do governo Beto Richa (PSDB), mas nós últimos meses elas se intensificaram.

O Blog do Esmael também apurou que Beto Richa participa de um grupo no WhatsApp, juntamente com outros governadores, que discute formas de “gastar menos” com a educação pública. O fechamento ou junção de escolas e de turmas é uma das formas de economia encontrada.

Outra forma de economia seria criar um novo modelo de contratação de professores através das Organizações Sociais (Oss). A ideia é liquidar a carreira do magistério terceirizando de vez a educação, flexibilizando os contratos de trabalho e enfraquecendo os sindicatos da categoria em todo o país.

Seria uma reedição piorada do Paraná Educação do ex-governador Jaime Lerner. Verdadeira tragédia para educação paranaense nos anos 90, que deixou um passivo trabalhista enorme e um atraso de décadas na educação pública do estado.

No último dia 19, a direção do Colégio Victor do Amaral, no Bairro Hauer em Curitiba, foi informada pela Secretaria de Estado da Educação (Seed) que o colégio passará a dividir suas instalações com o Colégio Gottlieb Müller, que atualmente fica no Bairro Boqueirão, pois este último abrigará o CEEBJA Maria Deon de Lira que está sendo despejado, pois o Estado não paga o aluguel há mais de um ano.

Esta é a tal da junção que o governo está empurrando goela abaixo de dezenas de comunidades. Funciona assim: junte duas escolas para funcionar em um único prédio, vai sobrar um prédio. Como resultado, gasta-se menos. Simples não é? Depois de um tempo “unidas”, as “duas” escolas se tornariam uma só.

Para tratar desse assunto e discutir uma linha de resistência a mais esse ataque contra a educação pública no Estado, a APP-Sindicato reuniu na manhã desta sexta-feira, 23, dezenas de diretores de escola de Curitiba e Região Metropolitana.

Segundo a secretaria Educacional da APP-Sindicato, professora Walkíria Olegário Mazeto, o governo vem fechando muitas turmas, principalmente da educação de jovens e adultos e da educação do campo. Nas cidades, o fechamento de turmas e de escolas é grande principalmente em prédios alugados, justamente para o governo economizar o aluguel.

A APP-Sindicato já se posicionou contrária ao fechamento ou junção de escolas e de turmas, e também contra a mudança de endereço das escolas sem o devido debate com as comunidades escolares.

E entidade publicou em seu portal um roteiro para que as instituições se defendam de medidas arbitrárias por parte do governo do Estado. Leia a seguir: 

Passo a passo para enfrentar o fechamento de escolas

Se a escola da sua comunidade receber o comunicado de fechamento de turmas, turno ou até mesmo de escola, toda a comunidade deve se reunir (pais, mães, responsáveis por estudantes, professores, alunos e lideranças), para juntos discutir essa situação. Abaixo sugerimos alguns procedimentos:

1) Organizar uma assembleia geral: reunir a comunidade escolar, responsáveis pela educação (município e do estado), para uma assembleia na escola para discutir sobre esse fato. Se possível convide órgãos da imprensa, representantes de Movimentos Sociais da sua região. Nesta assembleia elaborar dois documentos: Documento 1: Uma Ata com a decisão da comunidade, justificando o porquê não pode fechar a escola, todos devem assiná-la; Documento 02: Organizar um abaixo assinado, solicitando a permanência da turma, turno e escola. Todos os presentes devem assinar (estudantes, comunidade, autoridades, representantes dos Movimentos Sociais e Universidades). Se houver tempo hábil, estender a lista para outras pessoas da comunidade que não compareceram à assembleia.

2) Organizar uma comissão com a representação dos pais, mães, educandos, lideranças e professores para encaminhar os documentos ao Ministério Público Local e ao Núcleo Regional de Educação.

3) Encaminhar os documentos para o Ministério Público: a ata e o abaixo assinado devem ser protocolados, oficializando a denúncia.

4) Solicitar uma reunião com a promotoria pública e fazer a denúncia pessoalmente. Atenção! É importante levar uma cópia de todos os documentos, bem como, guardar uma cópia na comunidade.

5) Fazer reunião com vereadores e lideranças locais, Núcleo Regional de Educação e apresentar os documentos (ata e abaixo assinado) solicitando revisão do encaminhamento de fechamento da escola.

6) Fazer a divulgação na impressa local: as discussões da comunidade devem ser divulgadas na imprensa local (rádio e jornal) e em outros ambientes para que se possa ter o apoio amplo da sociedade.

7) Encaminhar a denúncia para APP Sindicato no e-mail: educacional@app.com.br

Lembre-se: a união da comunidade é o fator importante para enfrentar o fechamento de escolas!

Compartilhe agora!

Comments are closed.