Lava Jato “arromba” porta do Palácio Iguaçu; tucano alvo é Beto Richa

Publicado em 9 julho, 2015
Compartilhe agora!

Richa_Youssef_MoroEm abril passado o Blog do Esmael anotou que a operação Lava Jato havia batido na porta do Palácio Iguaçu, sede do executivo paranaense, ao citar reportagem do jornal Gazeta do Povo sobre o envolvimento de empresas do governo Beto Richa (PSDB) com o ex-deputado André Vargas (sem partido), preso há três meses.

Pois bem, nesta quinta-feira (9) parece que a Lava Jato arrombou de vez do suntuoso prédio localizado no Centro Cívico, palco de recente massacre de professores que lutavam contra o confisco da poupança previdenciária e direitos adquiridos de servidores públicos do estado.

No último fim de semana, a revista Veja também registrou que o tucano entraria em apuros devido às investigações do juiz Sérgio Mouro.

O doleiro Aberto Youssef, principal delator preso pela Operação Lava Jato, prestou depoimento hoje à Procuradoria Geral da República (PGR) sobre esquema que teria irrigado a campanha de reeleição do governador Beto Richa.

As investigações do Ministério Público Federal agora fazem “conexão” com a Operação Publicano, do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado), braço policial do Ministério Público do Paraná.

O fio da meada seria o repasse de R$ 2 milhões, por auditores fiscais da Receita Estadual, à campanha tucana por meio de caixa 2. O dinheiro teria origem na cobrança de propina no órgão fazendário.

Como estratégia de marketing, a cada passo das investigações de corrupção no governo, Beto Richa “mete bomba” nos professores do Paraná; na véspera de estourar mais essa da Operação Lava Jato, o tucano atribuiu a qualidade “ruim” do ensino aos educadores e os acusou de receber salários maiores que prefeitos do interior do estado, além de falsificar os vencimentos dos profissionais do magistério.

Compartilhe agora!

Comments are closed.