Richa não paga e Correios suspende serviço para polícias do Paraná

Publicado em 6 maio, 2014
Compartilhe agora!

do Jornal de Londrina

Por falta de pagamento aos Correios, policiais civis e militares tem que atuar como carteiros para que os inquéritos e documentos diversos transitem entre os órgãos. Interrupção do serviço já dura duas semanas, e se soma a outras dificuldades enfrentadas pela Segurança Pública no Estado, como o corte nos telefones, falta de combustível e atraso no pagamento de salários e gratificações a policiais e cadetes.
Por falta de pagamento aos Correios, policiais civis e militares precisam! atuar como carteiros para que os inquéritos e documentos diversos transitem entre os órgãos. Interrupção do serviço já dura duas semanas, e se soma a outras dificuldades enfrentadas pela Segurança Pública no Estado, como o corte nos telefones, falta de combustível e atraso no pagamento de salários e gratificações a policiais e cadetes.

Policiais civis e militares do Paraná não podem usar o serviço de correio por falta de pagamento. O problema tem consequência direta no trabalho das polícias e dificulta a entrega de inquéritos aos departamentos da Polícia Civil, além de outros serviços, como envio de documentos no interior do estado.

Tudo o que não pode ser feito pessoalmente, a polícia usa o correio. Se for feito, vai acabar tirando policiais de suas atribuições para servir de carteiro!, comenta um policial, que reclamou do problema, mas pediu para não ser identificado. Em alguns casos, os e-mails têm quebrado o galho.

A paralisação do serviço começou há pelo menos duas semanas, mas os policiais ouvidos pela reportagem ainda não sabem quando poderão usá-lo de novo. Eles preferiram ter seus nomes preservados para evitar retaliações.

Histórico negativo

A falta de recursos para os serviços básicos tem sido recorrente desde o final do ano passado, quando a PM e a própria Secretaria de Estado da Segurança Pública (Sesp) tiveram as linhas telefônicas cortadas. No começo de novembro, também por falta de pagamento, faltou recursos para abastecer viaturas em Curitiba e na região metropolitana.

Os problemas orçamentários incluíram, na época, o atraso no pagamento de salários a cadetes iniciantes do Curso de Formação de Oficiais (CFO) da Academia do Guatupê, que serve à  PM.

Além disso, atualmente, policiais militares não têm recebido por aulas na academia, nem o quinquênio [adicional por tempo de serviço] e indenização por remoção.

Serviço está pago!

A Secretaria da Segurança Pública informou, por meio de nota, que a suspensão do serviço de correio não causa qualquer prejuízo à s ações das polícias. O serviço prestado pelos Correios não impede o andamento das investigações policiais. Portanto, não procede a informação de que os inquéritos estejam parados por este motivo. Da mesma forma, a suspensão do serviço não implica em aumento da criminalidade ou em menos eficácia na prevenção aos crimes!, rebate a nota.

De acordo com a secretaria, todas as faturas foram pagas, mas uma intransigência dos Correios impede que esses pagamentos sejam aceitos. A Sesp informa que está procurando a direção dos Correios para restabelecer o serviço o quanto antes.

Compartilhe agora!

Comments are closed.